Contato

Educação

Escolas Vilaverde Moura e Fernando Ferrari, completam 46 anos de História

A Escola Municipal de Educação Básica José Antônio Vilaverde Moura, localizada no bairro Piola, zona sul da cidade, completa neste 27 de agosto seus 46 anos de existência. Com uma matrícula de 206 alunos e corpo de 36 professores e funcionários, ministra o ensino fundamental completo e a educação infantil níveis A e B.
A escola mantém diversos projetos integrando alunos e a comunidade, dentre os quais sobre o meio ambiente, abrangendo a reciclagem, plantio, fabricação de sabão artesanal, bolsas e papel reciclado.
Projeto Metamorfose: transição harmônica do 5° para o 6° ano, com participação de professores dos anos finais;
Projeto Prova Brasil: visando a preparação dos alunos e ampliação do IDEB da escola;
Projeto Bullying: diálogos de respeito e convivência;
PSE: saúde na escola/alimentação saudável; Programas Novo Mais Educação e Novo Mais Alfabetização;
Projeto Trocando Ideias: palestras direcionadas aos jovens da escola. E mais um projeto foi incorporado que é o PIBID à distância, com a UERGS, como suporte pedagógico.
O aniversário da Escola não tem
comemoração devido à pandemia do Coronavírus que atingiu inclusive os projetos da escola, mas, conforme palavras do diretor professor Jonas Guerra, “a alegria e a esperança no futuro se renovam”.
A equipe diretiva da Escola Vilaverde Moura é composta pelo diretor Jonas, vice diretora Ana Cláudia Degregori, orientadora educacional Onira Souza e coordenadora pedagógica Cíntia Felipeto.
Na busca cada vez mais de qualificar a forma de ensinar, superando os desafios, a Escola José Antônio Vilaverde Moura na maturidade de seus 46 anos, é polo integrador de todas as comunidades da zona sul da cidade.
ESCOLA FERNANDO FERRARI TAMBÉM ANIVERSARIA HOJE
A Escola Municipal de Educação Básica Fernando Ferrari, localizada no bairro Capão do Angico, também comemora nesta data seus 46 anos de atividades em favor da educação. Atendendo mais de 370 alunos, a escola tem um qualificado corpo docente de 26 professores, sete funcionários e 6 profissionais de apoio.
A Escola possui sala de recursos multifuncionais que é atendido por profissional capacitado e acolhe alunos deficientes, incluídos em classes regulares, respeitando suas diversidades, primando pela qualidade no ensino e desenvolvimento global do aluno.
Destaque na Prova Brasil que é aplicada de dois em dois anos para alunos que frequentam o 5º e o 6º ano, com a melhor nota no IDEB entre as escolas municipais. A Escola Fernando Ferrari prepara-se para receber a sua quadra coberta que está sendo construída e que será novo espaço para abrigar as múltiplas atividades quer pedagógicas, quer recreativas.
Continue lendo
Publicidade
Comentários

Educação

Séries iniciais podem ter aula mesmo na bandeira preta.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, retirou, nesta segunda-feira, as restrições de aulas presencias na bandeira preta – risco altíssimo para Covid-19 – para alunos da Educação Infantil, do primeiro ano e do segundo ano do Ensino Fundamental. Após reunião com o Gabinete de Crise da Covid-19 e os prefeitos, o Piratini optou por voltar atrás da suspensão geral das atividades nas salas de aula, anunciada na última sexta-feira. 

“Evidente que isso deverá ocorrer dentro dos protocolos e das regras estabelecidas. Com o limite de ocupação das salas de aula”. O chefe do Executivo defendeu a decisão alegando que a 1ª e 2ª séries do Ensino Fundamental são anos de alfabetização, com alunos do segundo ano tendo tido seus processos afetados pela pandemia em 2020. 

Segundo o governo do RS, para os demais níveis de ensino, as atividades presenciais seguem proibidas em regiões com bandeira preta. As atividades de ensino presencial não podem ser definidas pelo sistema de cogestão regional.

Estado não acatou nenhum dos recursos apresentados e manteve 11 regiões classificadas na bandeira preta e 10 na bandeira vermelha, os dois níveis mais altos de risco para o coronavírus. Uma nova reunião do governador com os prefeitos foi marcada para a próxima quinta-feira.

Continue lendo

Educação

Início do Ano Letivo será dia 18 de fevereiro

O ano letivo de 2021 começa no dia 18 de fevereiro, quinta-feira. Na primeira semana, as aulas ocorrerão na modalidade híbrida, nela os professores enviarão aos alunos uma avaliação diagnóstica.

Segundo a secretária de Educação, Cultura, Esporte e Lazer Ângela Viero “a partir dessa pesquisa os docentes vão desenvolver seu planejamento com base nos conhecimentos adquiridos pelos alunos no ano anterior”.
A secretária afirmou que a intenção é retornar as aulas presenciais em 8 de março, juntamente com o início do calendário letivo do Estado. Contudo, anteriormente ao retorno será realizada consulta sobre o tema com os pais. “Se ocorrer o retorno presencial será realizado cumprindo todos os protocolos, respeitando as normas de saúde e em sistema de escalonamento. Estamos ponderando retomar as aulas presenciais primando por benefícios à saúde mental das crianças e no processo de aprendizagem, mas acima de tudo pensamos na saúde e bem-estar de toda a comunidade escolar”.

Para ampliar o acesso as tecnologias digitais a Secretaria está buscando desenvolver uma plataforma digital que será adotada em toda rede. Esta poderá ser acessada até mesmo sem acesso à internet, ela está sendo elaborada conforme a Base Nacional Comum Curricular e conterá conteúdos adequados à realidade local. A secretária de Educação destaca que: “um dos objetivos é ampliar o uso das tecnologias no processo de ensino-aprendizagem e facilitar o acesso às aulas”.
Em 2020, o ano letivo ocorreu de forma remota, através da entrega de materiais mensalmente pelos professores aos alunos. De modo que, alguns docentes optaram por ministrar aulas através de videoconferências.

Continue lendo

Educação

Dep. Zucco pede ao MEC a ampliação do número de escolas cívico-militares no Rio Grande do Sul

O deputado estadual Tenente-Coronel Zucco pediu ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, a ampliação do número de escolas cívico-militares no Rio Grande do Sul. O pedido foi feito ontem (26/1), durante audiência que o parlamentar manteve no MEC, em Brasília. Zucco é autor do projeto, transformado em lei sancionada pelo governador Eduardo Leite, que cria o modelo cívico-militar no RS e que tem servido de referência para outros Estados.
“O ministro elogiou o esforço do RS e se mostrou sensível ao nosso pleito. Saí do encontro com a convicção que os gaúchos serão contemplados com mais estabelecimento deste modelo de ensino que permite o resgate de valores e princípios como disciplina, amor à família e pátria, ale dos conceitos de direitos e deveres”, acrescenta Zucco.
Do programa federal, o RS já possui Escolas Cívico-Militares, em Caxias do Sul, Alegrete e Alvorada. Duas vagas já foram oferecidas para serem instaladas em 2021, cujo processo de indicação está em fase de realização de audiências públicas para a indicação definitiva, cabendo ao MEC referendá-las. Com relação ao programa estadual, em 2020 já foram lançadas a Escola Municipal de Ensino Fundamental Coronel Raul Oliveira, em Santa Rosa, e a Tancredo de Almeida Neves, em Flores da Cunha.
Segundo o coordenador do Programa de Escolas Cívico-Militares da Secretaria Estadual da Educação (SEDUC), Marcelo Dornelles dos Santos, oito municípios já formalizaram interesse na instalação de novas escolas do modelo cívico-militar a serem implementadas ainda no ano de 2021.
“Até 26 de fevereiro estaremos recebendo manifestações de interesse dos prefeitos com a indicação da escola e número de alunos, acompanhados da devida documentação para dar encaminhamento à solicitação”, explica o coordenador da SECUC. Ele acrescentou que o número de pedido de informações sobre o programa tem sido alta e que a tendência é haver um crescimento significativo no número de municípios aderindo ao programa estadual.

Continue lendo

Ler edição online

Facebook

Previsão do tempo

 

 

Popular