Contato

Manchete

Em julho, 4,4 milhões de lares sobreviveram só com auxílio emergencial

Cerca de 4,4 milhões (6,5%) de domicílios brasileiros sobreviveram, em julho, apenas com a renda do auxílio emergencial pago pelo governo federal para enfrentar os efeitos econômicos da pandemia de covid-19. Entre os domicílios mais pobres, os rendimentos atingiram 124% do que seriam com as rendas habituais, aponta estudo publicado nesta quinta-feira (27) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A ajuda financeira também foi suficiente para superar em 16% a perda da massa salarial entre as pessoas que permaneceram ocupadas, segundo a análise que usa como base os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Covid-19 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Pela primeira vez, desde o início da pandemia, o auxílio emergencial compensa em média mais que a diferença entre a renda efetiva e a habitual. Ou seja, entre os que permaneceram empregados, a renda média com o auxílio já é maior do que seria habitualmente”, disse, em nota, o economista Sandro Sacchet, autor da pesquisa intitulada “Os efeitos da pandemia sobre os rendimentos do trabalho e o impacto do auxílio emergencial: os resultados dos microdados da PNAD Covid-19 de julho.”

Segundo o estudo, em geral, os trabalhadores receberam em julho 87% dos rendimentos habituais (4 pontos percentuais acima do mês anterior) – R$ 2.070 em média, contra uma renda habitual de R$ 2.377. A recuperação foi maior entre os trabalhadores por conta própria que receberam em julho 72% do que normalmente recebiam, contra 63% em junho, alcançando rendimentos efetivos médios de R$ 1.376.

Já os trabalhadores do setor privado sem carteira assinada receberam em julho 85% do habitual (contra 79% no mês anterior). Trabalhadores do setor privado com carteira e funcionários públicos continuaram a obter, em média, mais de 90% do rendimento habitual.

De acordo com o levantamento, a redução da diferença entre a renda efetiva e a habitual foi generalizada pelas regiões do país. No Nordeste, a renda efetiva subiu de 81,3% do habitual em junho para 86,7% em julho, enquanto o Centro-Oeste continua a região menos impactada (89,7%).

Conforme o estudo, o efeito da pandemia continua mais severo entre os idosos (83,5%) e menor entre os mais jovens (88,6%), e o impacto na renda foi menor entre aqueles com ensino médio ou superior (85,7% para trabalhadores com médio completo e 89,4% para aqueles com ensino superior).

Edição: Maria Claudia

Por Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Corona Vírus

Alegrete registra mais de 100 de casos de Covid-19 nesta Segunda Feira

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO
Nesta segunda-feira, 18, foram registrados 104 casos positivos da Covid-19 e 85 recuperados. Os positivos são 54 mulheres, 47 homens e três crianças do sexo feminino, entre 01 e 90 anos. 13 pacientes estão internados, 06 na UTI covid e 07 no hospital de campanha.
São 3.530 casos confirmados, com 2.643 recuperados, 843 ativos (830 em isolamento domiciliar e 13 hospitalizados positivos de Alegrete) e 44 óbitos.
Foram realizados 15.360 testes, sendo 11.726 negativos, 3.530 positivos e 104 aguardando resultado. Em observação com síndrome gripal são 907 pessoas.
Continue lendo

Corona Vírus

Confirmado o 43° óbito em decorrência da Covid-19 em Alegrete

Neste sábado, 16, foi confirmado o 43° óbito em decorrência da Covid-19. O paciente, homem, de 69 anos estava internado desde o dia 06/01.
Hoje foram registrados 14 casos positivos, sendo 07 mulheres, 06 homens e uma criança do sexo masculino, entre 07 e 88 anos. 07 pacientes estão na UTI covid e 13 no hospital de campanha.
São 3.409 casos confirmados, com 2.558 recuperados, 808 estão ativos (782 em isolamento domiciliar e 20 hospitalizados positivos de Alegrete) e 43 óbitos.
Foram realizados 15.196 testes, sendo 11.627 negativos, 3.409 positivos e 160 aguardando resultado. Em observação com síndrome gripal são 874 pessoas.
Continue lendo

Interior

Prefeitura inicia obras de recuperação das estradas no interior do Município

A Prefeitura Municipal, através das secretarias de Planejamento e Infraestrutura, iniciou as obras de recuperação das estradas vicinais que dão acesso aos assentamentos Novo Alegrete e Unidos Pela Terra. O projeto é fruto do repasse de R$ 380.000,00, vindos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária- INCRA, em contrapartida da prefeitura foram destinados R$ 35.502,18, estimando o valor total do investimento em R$ 415.502,18.
As obras iniciaram no dia 13 de janeiro e buscam recuperar mais de 18 km em extensão, começando pelo cruzamento entre a Avenida Ibicuí em direção ao Rincão de São Miguel, afunilando da sua largura a partir do segundo trecho e finalizando no Corredor Kerpel.
Além das melhorias na estrada, serão realizados outros serviços como: construção de galerias, colocação de bueiros, instalação de canteiro e terraplanagem. O prazo para concluir todas as etapas é de 60 dias corridos a partir da data inicial.
 
 
 
 
 
4
 
1 compartilhamento
 
Curtir
 

 
 
Comentar
 
 
Compartilhar
 
 
Continue lendo

Ler edição online

Facebook

Previsão do tempo

 

 

Popular