Contato

Polícia

Sequestro em Uruguaiana termina depois de 32 horas de apreensão

Após 32 horas de apreensão, um sequestro teve final feliz em Uruguaiana. Na quarta-feira (15), um jovem de 16 anos foi libertado depois de ser sequestrado quando voltava da escola, na terça-feira (14). Três dos quatro suspeitos de estarem envolvidos no crime foram presos preventivamente. A doméstica da família, que teria repassado todas as informações para o bando, segue foragida. O resgate exigido no valor de R$200 mil não chegou a ser pago.

Por volta do meio-dia, o jovem voltava para casa, no bairro Bela Vista, quando foi abordado por um Renault Logan prata. O menino teria sido encapuzado e forçado a entrar no veículo. Ele foi levado para uma casa que fica no mesmo bairro. Câmaras de segurança registraram as imagens do carro no local e identificaram os envolvidos.

Já no cativeiro, pelo telefone da vítima, os sequestradores ligaram para a mãe do menino exigindo R$200 mil reais, caso contrário o jovem seria morto. A família comunicou a Polícia Civil que logo montou uma operação que envolveu a Delegacia de Polícia de Proteção à Criança e Adolescente (DPCA), a Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) de Uruguaiana, a 4ª Delegacia de Polícia Regional do Interior (DPRI) de Uruguaiana, o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) e a Divisão de Apoio Aéreo (DAA).

Os suspeitos foram identificados e a Polícia Civil pediu a prisão temporária deles. Na quarta, o adolescente foi libertado sem o pagamento. Ele foi deixado vendado em frente a uma loja, por volta das 20h30.

Os mandados foram cumpridos na casa usada como cativeiro. A irmã, o irmão e o cunhado da doméstica foram presos. O trio capturado já foi encaminhado para a Penitenciária Modulada de Uruguaiana e ficam à disposição da Justiça.

A polícia segue as buscas pela mulher que teria repassado informações privilegiadas sobre a família aos sequestradores. “Era uma pessoa de confiança da família. Sabiam que a família estava fazendo uma negociação grande de dinheiro, de R$ 200 mil, por isso o preço do resgate”, explicou em coletiva o delegado responsável pela investigação, Ênio Tassi.

Para o delegado da 4º Delegacia Regional, Juliano Cardoso, o auxílio foi mútuo não só pela necessidade de solução do caso, também em virtude da gravidade do crime praticado. “Envolveu toda a Polícia Civil do Rio Grande do Sul – seja pelo recurso utilizado ou pelo sentimento de apoio, por que não é por acaso que esse crime recebe a maior punição do Código Penal”,afirmou em coletiva.

Se condenados, os suspeitos devem cumprir pena de 24 a 30 anos de prisão.

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Manchete

Policia Civil prende dois homens por tráfico e outros delitos no Bairro Piola

A Polícia Civil, através dos Policiais do Setor de Investigações da 1ª Delegacia de Polícia de Alegrete, com apoio dos Policiais da Operação Hórus, DP/Alegrete, DPR de Alegrete, sob a coordenação do Delegado Maurício Arruda, na manhã do dia, 04/12/20, cumpriu dois Mandados de Busca e Apreensão, referente aos delitos de receptação e tráfico ilícito de drogas, no bairro Vila Piola em Alegrete/RS.

Nas residências, os policiais apreenderam crack, maconha, celulares, um tablet, câmera de monitoramento e dinheiro, sendo presos dois homens, com idades de 27 anos e 22 anos, ambos, ex-presidiários, com antecedentes pelos delitos de tráfico ilícito de drogas, roubo majorado, posse de entorpecentes, homicídio doloso, ameaça e disparo de arma de fogo.

Continue lendo

Polícia

Adolescente morre no lago do Parque dos Patinhos

Ainda está imprecisa a causa da morte do adolescente.  Roni dos Santos Luiz de 15 anos. na madrugada deste domingo, no lago do Parque dos Patinhos.

A mãe sabe que ele estava acompanhado de pelo menos dois vizinhos. Ela foi chamda em casa porque o filho teria sofrido um acidente. Ela ficou espantada porque o filho saíra, ontem à noite, pra jogar free fire na casa de um adolescente, vizinho do bairro Nilo Gonçalves onde as famílias moram.

Chegando no hospital foi informada que o filho sofrera um choque elétrico e não resistiu.

O caso ainda está sendo diligenciado pela Polícia Civil e a verdadeira causa da morte será conhecida depois da necropsia. O local foi isolado pela Guarda Municipal.

Continue lendo

Manchete

Ministério Público-RS instaura procedimento para investigar atuação da PM na fiscalização de empresas privadas de segurança

O Ministério Público do Rio Grande do Sul instaurou, nesta sexta-feira, 27, inquérito civil para colher informações sobre a atuação da Brigada Militar na fiscalização de empresas privadas de segurança. O expediente foi motivado pelo homicídio de João Alberto Silveira Freitas, cometido nas dependências de supermercado do grupo Carrefour no último dia 19.

Conforme o promotor de Justiça Cláudio Ari Pinheiro de Mello, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre, “a intenção é entender como é feita essa fiscalização, já que é dever legal da corporação inspecionar esses prestadores de serviço. As circunstâncias em que ocorreu a morte de João Alberto Freitas não são caso isolado e podem indicar a ineficiência da fiscalização dessa atividade”, pontuou.

O Ministério Público deu 10 dias para que a Brigada Militar informe o detalhamento da estrutura de pessoal e de recursos materiais no Grupamento de Supervisão de Vigilância e Guardas e o número de empresas de segurança privadas cadastradas no órgão, em todos os municípios do Estado; e se a corporação dispõe de política pública de conscientização sobre o combate ao racismo e ao racismo estrutural na atividade de segurança privada no Estado.

O inquérito civil da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Porto Alegre, conduzido em conjunto com a Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos da Capital e em diálogo com a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, corre em paralelo a outros expedientes que tramitam nas respectivas esferas de competência.

A seguir, sonora do subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Institucionais, Marcelo Lemos Dornelles, sobre a atuação do Ministério Público do Rio Grande do Sul no caso envolvendo a morte de cliente nas dependências de um supermercado do grupo Carrefour no dia 19 deste mês:

Continue lendo

Ler edição online

Facebook

Previsão do tempo

 

 

Popular