Contato

Cultura

Conheça a história da artista Gaúcha que faz sucesso Internacional

Bea Dummer, cantora e compositora, natural de Santa Cruz do Sul (RS), formada em música em Los Angeles, teve que voltar no último voo para o Brasil em março, no início da pandemia. Trouxe na mala apenas a guitarra e muitas experiências, as quais compartilha em suas músicas: desde ter cantado no Azerbaijão, de ter subido no mesmo palco que Elvis Presley cantou em Memphis, até viajar a califórnia inteira de carona.

Trocou a calçada da fama pela Praia do Rosa, onde hoje busca uma vida mais simples. Montou o seu homestudio e se inspira cada vez mais na natureza. A internet possibilita estar em um lugar paradisíaco e ainda sim ter um alcance global. Continua trabalhando com grammy award winners, contatos que conheceu em Los Angeles mas em um ambiente de calma e paz.

Podemos ouvir a sua música “Orange Glow” em todas as plataformas digitais e também há um clipe no Youtube, cujo a maior parte fora produzido em sua casa, com equipe reduzida e todos os cuidados possíveis durante o isolamento social. Mostrando que com criatividade é possível continuar produzindo e criando conteúdo para as redes sociais.

A música fala sobre conhecer a si mesmo e deixar o seu brilho interno transparecer. “Orange glow” vem do por do sol, inspiração que veio a partir das viagens na rota 66 de Los Angeles até Las Vegas. Bea fazia este trecho praticamente todos os finais pois acompanhava as produções de Dionne Warwick (uma das maiores cantoras americanas, prima de Whitney Houston) no Caesar’s Palace . Diz ela que o por do sol sempre foi um momento de conexão com a sua própria fé, e o por do sol do deserto na rota 66 é algo inesquecível.

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Cultura

Roda de Conversa sobre Racismo provoca reflexão sobre o tema em Alegrete.

No dia 02 de Dezembro,às 10hs, aconteceu a roda de conversa organizada pela Escola Municipal Waldemar Borges de Alegrete-RS, com o tema Racismo Estrutural e Institucional.

Participaram da conversa sob a mediação da Prof Quelen Gomes,Mylene Seidl,Juiza Federal do Trabalho;João Leivas,Advogado e Vereador eleito;Sivens Carvalho ,Advogado;Jose Antonio Jornalista e Tecnólogo Gerenciamento Sv Policial Militar e Roberlaine Ribeiro Jorge Reitor da Unipampa.

A conversa começou com a Dra. Milene,juiza federal do Trabalho, realizando um breve histórico sobre o negro no Brasil , e sua participação na estrutura da sociedade brasileira.

Com participações dos demais palestrantes,o tema do racismo estrutural e institucional prosseguiu sendo apresentado pelo jornalista Jose Antonio Gonçalves,de forma reflexiva,a proporcionalidade de brancos e negros nas funções de liderança nos três poderes da união,na cadeia produtiva e no sistema financeiro brasileiro.

O Professor Roberlaine, reitor da Unipampa, explanou sobre a situação do negro na educação superior, e a renovação da lei de cotas que tem prazo até 2021.

Os debatedores salientaram sobre a necessidades de políticas públicas, que inclua o negro na estrutura de liderança do pais, e medidas práticas governamentais que diminuam a desigualdade entre negros e brancos na sociedade brasileira.

Dr Sivens Carvalho, salientou sobre as leis que tramitam no Congresso Federal a respeito da diversidade racial, e que muitas vezes, não são apreciadas com brevidade.

O vereador eleito, e advogado João Leivas, falou sobre a importância do negro nas câmaras legislativas, e das cobranças que o legislador sofre por ser minoria nas casas do povo.

Por fim , a roda de conversa foi encerrada, tendo a maciça participação dos professores da escola,comunidade em geral e internautas que acompanharam o evento.

Segundo a professora Quelen Gomes, o evento atingiu o objetivo, trazendo de forma reflexiva e participativa, um debate sobre a inclusão e diversidade racial.

Continue lendo

Cidade

Cavalarianos desfilam pelas ruas do Alegrete em homenagem ao 20 de Setembro

Ninguém esperava que na manhã deste domingo, 20 de setembro, data que recorda o dia em que teve início a Revolução Farroupilha, ou Guerra dos Farrapos, em 1835, um grupo de Cavalarianos desfilaria pelas ruas do Alegrete mantendo a tradição, mesmo em tempo de pandemia.

Aproximadamente 30 cavalarianos de diversas idades, se concentraram na Av Ibicuí, aos fundos do Parque de rodeios, a principio a cavalgada seguiria ao interior do município, mas de ultima hora decidiram seguir o caminho do desfile tradicional seguindo pela Av Ibicuí passando a ponte, subindo pela Barão do Amazonas, parando na Praça Getúlio Vargas, onde fizeram uma oração e Falaram um pouco sobre o motivo da cavalgada.

Logo depois os cavalarianos seguiram em direção a Praça nova, por onde passavam, a população e motoristas, aplaudiam e se solidarizavam com o evento dando prioridade nas preferencias para que a cavalgada passa-se.

Sem nenhum intuito politico, vinculo com instituição, apenas um grupo de amigos que se reuniu por whatsapp, o evento não teve nenhum transtorno, todos os cavalos estavam com o atestado veterinário em dia, os cavalarianos usando mascaras, e mantendo um distanciamento considerável entre eles.

A cavalgada dispersou na Praça Nova, logo após o agradecimento dos organizadores e a oração de um Pai Nosso.

Confira mais imagens e os videos da Cavalgada abaixo:

 

 

Fotos e Videos: Alex Stanrlei/Em Questão

 

Continue lendo

Cultura

Fazenda Sossego do Capavari, com a presença do Coordenador da 4ª Região Tradicionalista, realiza cavalgada de acendimento da chama Crioula

Nem bem o relógio apontava o fim da madrugada, neste domingo, 13 de setembro e um grupo de cavalarianos, tradicionalistas, estava mobilizado para promover um ato de bravura, em plena pandemia e, através de uma cavalgada, acender a chama crioula, na fazenda Sossego do Capivari.


A iniciativa, pioneira, carrega, em si, um simbolismo que transcende os empecilhos da intempérie e da pandemia que, este ano fez com que a tradicional chegada da chama crioula, não ocorresse.
A iniciativa, com cavalgada, demonstra que Alegrete, sendo a Terceira Capital Farroupilha, com maior desfile de cavalarianos do mundo, no 20 de setembro, não se conformaria em deixar passar, em branco, uma data identificada com nossas origens, como ela não existisse.
Mesmo depois, que um grupo de cavalarianos recebeu um “NÃO” do Prefeito para promover uma cavalgada, simbólica, no dia 20 de setembro, um outro grupo não aceitou a negativa como desistência e, começou a organizar uma outra forma de marcar a data no calendário tradicionalista, como sendo um mais um feito do que está sendo chamado do “novo normal”.
Eles, acenderam a chama e iniciaram a cavalgada, a partir da Ponte de ferro no Capivari. Nem mesmo a chuva e o vento forte, impediram que eles demonstrassem seu amor pelas tradições, mesmo em meio a tantas restrições, e sem desrespeitar o distanciamento social.

Ainda pela manhã, sem o uso do cavalo, representantes do CTG Vaqueanos da Fronteira e Piquete Dona Luíza, acenderam a chama em suas entidades. Agora de tarde, o CTG Farroupilha também fez o acendimento e na pira da Praça, no final da tarde..

Alegrete, teve cavalgada, sim! E, citando, trechos dos versos do hino Riograndense que é quase uma oração, para nós gaúchos: “SIRVA ESTA FAÇANHA, DE MODELO A TODA A TERRA.

Integraram a cavalgada
Ricardo Steinhorst, Henrique Steinhorst, Ewaldo Fernando Steinhorst, Marcos Eugênio Severo, Cristiano Gideel, Marco Saldanha Júnior- (Coordenador da 4ª Região), Bianca Correia Saldanha, Rodrigo Correia Saldanha, Joaquim Brasil, Milene Ribeiro, Marcelo Aita, Mariana Caselgrandi, Antonella Aita, Bruno Motta, Martin Motta, Inácio Motta, Mayra Mombaque.
Dentre outras, pessoas presentes, estavam: Guilherme Maciel, Bianca Acunha, Henrique Cons, Mauren Rodrigues,Bruno Motta e esposa, Marcelo Aita e Esposa, Joaquim Brasil e esposa, Marco e Bianca e Ricardo.

 

Informações: Dariano Moraes/Face Repórter

Continue lendo

Ler edição online

Facebook

Previsão do tempo

 

 

Popular