Contato

Cidade

Prefeitura explica como funciona a rede de semáfaros da cidade

Alegrete tem um trânsito que exige muita atenção dos motoristas e pedestres. A relação não é das melhores e os acidentes acontecem quase que diariamente. Os cruzamentos mais perigosos possuem semáforos para regular o fluxo de veículos e a passagem de pedestres.

Quando um semáforo estraga, o trânsito fica complicado, especialmente no horário de pico. Foi o que ocorreu, recentemente, com a sinaleira da rua Vasco Alves esquina com a General Sampaio que está fora de circulação depois de ser atingida por um carro envolvido em acidente naquele cruzamento.

Na Prefeitura, o responsável pela manutenção externa dos semáforos e câmaras de videomonitoramento é o funcionário eletricista Flávio Paim. Este servidor fez um curso de especialização em programação de semáforos. Na sua bancada, os semáforos da rua esquina da Vasco Alves com a rua General Sampaio já foram consertados e só falta a instalação de uma nova haste para a recolocação do equipamento.


Para consertar um semáforo, o trabalho é exaustivo e exige muita concentração. Cada conjunto pesa em média 25 quilos e fica exposto no tempo, com sol ou chuva e seu suporte metálico é alvo de frequentes choques de carros.

No trânsito da cidade, são 17 sinaleiras em funcionamento, das quais quatro são da empresa Kopp e as demais da empresa Sinacon. O técnico responsável pelos semáforos, Flávio Paim, sonha com equipamentos mais modernos, mas esbarra na falta de recursos, conforme disse. Outra ideia, é a de colocar após a meia noite os semáforos na forma intermitente, a exemplo do que acontece em algumas cidades, mas que isso também passa por estudos.

Além da manutenção dos semáforos, Flávio atende também o sistema de câmeras de monitoramento. A cidade conta com 20 câmeras espalhadas em diferentes pontos. Conforme o coordenador da sala de controle do sistema de vídeomonitoramento da Prefeitura, Uiliam Almeida, além das vinte câmeras, há outras 97 câmeras em prédios públicos da cidade. Também há a vigilância do projeto Alegrete Mais Segura que já conta com 9 estabelecimentos com câmeras instaladas. É a cidade ampliando o sistema de videomonitoramento 24 horas. 

DPCom PMA
Alair Almeida  

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Cidade

STU diz que a Prefeitura é quem deve ressarcir quem adquiriu os créditos do cartão de transporte

A polêmica sobre quem deverá ressarcir ou não os usuários do transporte coletivo, na compra dos créditos nos cartões do STU, tem um novo capítulo. Em documento produzido nesta quarta-feira o STU defende que isto cabe à Prefeitura, conforme assegura a Lei que regulamenta o sistema de bilhetagem eletrônica na cidade, contrariando a tese do Procon, que na semana passada afirmou que as empresas deveriam reembolsar em R$ 180 mil os usuários do serviço. Mais: o STU afirma que a empresa trazida de Uruguaiana já deveria estar operando dentro do sistema previsto em Lei.

Leia abaixo a integra do documento do STU.

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A VERDADE SOBRE O VALE TRANSPORTE

O STU – SINDICATO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE URBANO DE
ALEGRETE, por seu Presidente, diante da manifestação efetuada pelo PROCON, na
pessoa de seu Coordenador local, Sr. Geferson Maidana Cambraia, vem, por meio do
presente, apresentar os seguintes esclarecimentos.
O Coordenador do PROCON, manifestou-se na última quinta-feira, dia 24 de
setembro de 2020, por meio de órgãos de imprensa e pelo Portal de Notícias
“Alegrete Tudo”, dizendo que o STU teria de devolver R$ 180.000,00 (cento e oitenta
mil reais), e se a “empresa” não devolver, deveria sofrer uma multa de R$ 93.000,00
(noventa e três mil reais).
Ocorre que a referida matéria jornalística foi veiculada antes de encerrar o
prazo para a defesa do Sindicato, ou seja, o Coordenador do Procon, Jeferson
Cambraia reconheceu que o STU entrou com o que classificou como “ação
consistente”, observando que tal processo estaria no Jurídico da Prefeitura. Ora, não
foi uma ação, não se constitui um Processo, mas é, na verdade, a defesa, que a
despeito da verdade e ao arrepio da Lei, foi desprezada e jogada como se constituísse
ação administrativa.
Veja – se: a notificação foi entregue ao Presidente do STU dia 04 de setembro
de 2020, sendo que a Defesa foi apresentada dia 08 de setembro, ou seja, no quarto
dia após a notificação. Portanto, o Procon deveria exarar parecer sobre a Defesa, o
que não aconteceu, sendo que em vez de responder ao Recurso, o Coordenador
repassou a defesa para a Procuradoria do Município.
Mais grave ainda foi o fato de, após repassar a Defesa para a Procuradoria
Jurídica do Município, ainda dentro do prazo, o Coordenador do Procon sequer se
ateve ao alegado na Defesa e aplicou multa no importe de R$ 95.000,00 (noventa e
cinco mil reais). Tal ato se constitui em verdadeira arbitrariedade, pois tal multa deveria
ser endereçada ao Município de Alegrete, já que a base da notificação citada pelo
responsável são as leis: CDC; Lei Municipal 5.099/2013 e Decreto Municipal nº
496/2020, o que se constitui em verdadeira aberração e demonstrativo cabal de que
por certo o Coordenador do Procon de Alegrete não leu as referidas leis municipais.
houvesse lido, perceberia a grandiosidade de seu erro material, senão vejamos:
DAS LEIS E DA GESTÃO
1) A citada Lei 5.099 de 2013 é a que dispõe sobre o Sistema de Bilhetagem
Eletrônica do Transporte Coletivo e que determina, em seu artigo 3º, que:
“todas as normas e procedimentos necessários ao funcionamento e eficácia do
Sistema de Bilhetagem Eletrônica – SBE e ao seu gerenciamento e
operacionalização serão fixados em regulamento próprio pelo Chefe do Poder
Executivo”. Ou seja, as normas reguladoras devem estar em Decreto Municipal.
2) Na notificação, o Chefe do Procon informou o número do Decreto errado,
citando o Decreto nº 496/2020, quando o número correto é 496/2013. Ocorre
que o referido Decreto torna claro que o responsável pelo Sistema de
Bilhetagem Eletrônica não é o STU e sim a Prefeitura Municipal de Alegrete.
3) O inciso II do artigo 2º desse referido Decreto, que ainda está em vigor,
determina que: o órgão regulador do sistema é o Município de Alegrete.
4) O inciso III aponta que o órgão Gestor é a Secretaria Municipal de
Infraestrutura, figurando o STU apenas e tão somente como Operador do
Sistema.
DA RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO MUNICÍPIO.
5) O Sistema De Bilhetagem Eletrônica foi criado a partir de uma Lei Municipal,
tendo a referida Lei, implementada por Decreto Regulador, atribuído
responsabilidade ao Poder Público que ao contratar a nova empresa de
transporte coletivo urbano, ao não determinar seu cadastro no SBE, agiu em
confronto ao que determina a Lei Municipal, o que se faz esclarecer com os
seguintes apontamentos:
a. O Município decidiu, por medida unilateral, interromper, em 31 de agosto
de 2020 os contratos vigentes de transporte urbano da cidade com as
empresas Nogueira Transportes e Vaucher & Companhia, que há mais
de 68 (sessenta e oito) anos prestava ininterruptamente o serviço;
b. Em sequência, contratou uma empresa de transporte coletivo do
Município de Uruguaiana, que começou a operar no dia 1º de setembro
de 2020, assumindo todas as linhas das duas empresas alijadas da
atividade, sem obedecer os princípios editalícios para o ato.
c. Por consequência, o Prefeito Municipal deixou de observar o que
determina o Decreto 496/2013 que resultou do Termo de Ajustamento
de Conduta TAC firmado com o Ministério Público Estadual com o
sistema de transporte urbano em 12 de março de 2013 e que foi
regulamentado pela Lei 5.099/2013.
d. As empresas do transporte coletivo, por meio do referido Decreto, foram
obrigadas a aderir ao sistema de bilhetagem eletrônica. “Art. 26: As
empresas operadoras do transporte coletivo urbano têm o prazo de 120
(cento e vinte) dias a contar da publicação deste Decreto, para
instalarem os equipamentos e softwares necessários ao funcionamento
do Sistema de Bilhetagem Eletrônica “SBE”.
e. O Decreto obrigou as empresas a aderirem o sistema e também trouxe
e mantém previsto o procedimento a ser adotado com o ingresso de uma
nova empresa: “Art. 27 – Para poder aderir ao Sistema de Bilhetagem
Eletrônica “SBE”, toda e qualquer empresa fica obrigada ao prévio
pagamento ao Operador, dos custos de implantação suportados
pelas empresas que iniciaram a operação do sistema, em valores
devidamente atualizados e proporcionais ao número de veículos da
empresa, que virem a operar no sistema
f. Como apontado antes, o Município simplesmente “driblou” a Lei,
eximindo a nova empresa de cumprir o que é dever de toda a empresa
que presta o serviço de transporte coletivo urbano no Município de
Alegrete.
g. O Sistema de Bilhetagem Eletrônico tem regência legal e não pode
encerrar suas atividades sem que uma nova Lei seja sancionada.
Portanto, não há razão para o STU devolver valores para usuários.
Assim como a nova empresa contratada tem o bônus de comercializar o
transporte coletivo, possui o múnus de cumprir a Lei.
h. Toda a população que possui crédito, deve ter acesso ao transporte,
independente da empresa que a Prefeitura Municipal contratou, de modo
que é obrigação do Procon identificar o responsável pelo Vale
Transporte, mas determinar que a Lei seja obedecida e que a nova
empresa se habilite ao sistema, pagando os valores constantes no
Decreto 496/2013.
i. O STU, reconhece o direito dos usuários ao Vale Transporte, mas exige
que o Município determine urgentemente que a empresa contratada
regularize sua atuação, possibilitando que os usuários utilizem o
transporte a partir dos créditos.
j. A Lei é clara quando aponta que os valores do Vale Transporte serão
repassados pelo SBE para a empresa prestadora de serviço e isso deve
ocorrer em conformidade com o estabelecido no Decreto 496/2013: “Art.
9º – A Operadora administrará os recursos arrecadados, através do SBE
e fará a divisão de receita da forma técnica que for homologada entre os
participantes do sistema. §1º – A Operadora do Sistema de Bilhetagem
Eletrônica “SBE” emitirá diariamente o documento “Relatório de Resgate
de Valores de Passageiros Transportados” no Sistema, que deverá ser
assinado pelos responsáveis da sua operação, retendo os valores
proporcionais de ressarcimento dos custos operacionais para a
manutenção e operacionalização do sistema. §2º – As despesas de
operacionalização e manutenção do Sistema de Bilhetagem Eletrônica
“SBE” deverão ser realizadas nos moldes apropriados da legislação
contábil, estando sujeitas à fiscalização do Órgão Gestor, visto que
fazem parte dos insumos que compõe a planilha tarifária.
k. O artigo 2º do Decreto 496 aponta que o órgão regulador do sistema de
bilhetagem eletrônica é a Prefeitura Municipal e o órgão gestor é a
Secretaria Municipal de Infraestrutura. Portanto, o Procon deve
apresentar a notificação para o Prefeito Municipal e para a referida
Secretaria, sob pena de estar cometendo uma arbitrariedade contra um
sistema que funciona de acordo com a Lei e que já se colocou à
disposição para que a nova empresa contratada busque regularizar sua
situação no sistema, de modo a garantir sua obrigação de prestação de
serviço do transporte coletivo urbano do Município.
O presente esclarecimento é necessário dada a gravidade da situação
imposta, o que resulta da falta de observação pelas Autoridades de seu dever legal
que é zelar pelas leis e fazer com que as mesmas sejam obedecidas.
Alegrete – RS, 30 de setembro de 2020.
JOÃO ANTÔNIO DA ROCHA NOGUEIRA.
PRESIDENTE DA STU

Continue lendo

Cidade

Novo Decreto Municipal para os bares assegura mesas externas

O novo decreto teria por objetivo assegurar um maior número de mesas nos locais externos e aumentar o número de pessoas dentro dos estabelecimentos. A comunicação feita pela administração municipal postou o decreto, mas não forneceu nenhum texto de apoio, contextualizando a nova legislação, ou comparando como estava e o objetivo da nova redação. Leia abaixo.

 

DECRETO N° 699, DE 30 DE SETEMBRO DE 2020.

Altera o Decreto 320/2020, que “Reitera a declaração de estado de calamidade pública no Município de Alegrete para fins de prevenção e de enfrentamento à pandemia causada pelo novo Coronavírus (COVID-19), adotando-se o Distanciamento Controlado estabelecido pelo Decreto Estadual nº 55.240, de 10 de maio de 2020 e dá outras providências.” O PREFEITO MUNICIPAL, no uso da atribuição que lhe confere o Art. 101, IV, da Lei Orgânica do Município; considerando o Decreto 320/2020, que “Reitera a declaração de estado de calamidade pública no Município de Alegrete para fins de prevenção e de enfrentamento à pandemia causada pelo novo Coronavírus (COVID-19), adotando-se o Distanciamento Controlado estabelecido pelo Decreto Estadual nº 55.240, de 10 de maio de 2020 e dá outras providências.” DECRETA: Art. 1° Altera redação do inciso XI do Art. 9º no Decreto n° 320 de 14 de maio de 2020, que passa ter a seguinte redação: XI – Fica autorizada a comercialização de qualquer tipo de bebida e comida, desde que possuam o alvará próprio para essas atividades e sigam o horário estabelecido para tais com o atendimento das medidas estabelecidas no §6º, incisos I, II, III, IV, V, VIII do Art. 6º deste Decreto. Art. 2º Altera redação do inciso VIII do Art. 9º no Decreto nº 320 de 14 de maio de 2020, que passa ter a seguinte redação: VIII – Fica autorizada a montagem de bancos de reserva com no máximo 3(três) reservas por equipe, respeitando todas as medidas sanitárias, inclusive a distância de 2(dois) metros entre seus assentos. Art. 3° Revoga o inciso IX do Art. 9º no Decreto nº 320 de 14 de maio de 2020. Art. 4° Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Continue lendo

Cidade

Servidores do Município convocaram associados ao Sindicato para Assembléia Geral Extraordinária

Servidores Municipais, descontentes com a atual diretoria do Sindicato dos Municipários de Alegrete, realizou na tarde deste sábado (26) no CTG Vaqueanos da Fronteira, uma assembleia Geral.

Em torno de 60 servidores participaram da assembléia, 30 estavam aptos a votação que conforme o estatuto vigente dá o direito a voto aos servidores com mais de 6 messes associado. 

Confira abaixo o conteúdo completo da ATA da Assembléia:

ATA DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DO ALEGRETE/RS

Aos vinte e seis dias do mês de setembro de dois mil e vinte, às dezesseis horas, em primeira chamada e, em segunda chamada às dezesseis horas e trinta minutos, na sede do CTG Vaqueanos da Fronteira, na Rua Bento Manoel, um mil quatrocentos e cinco, centro, Alegrete, RS, iniciou-se a ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA convocada pelos membros da categoria profissional, cuja lista de presenças vai anexa à presente ata. Sendo necessário uma direção para organizar o evento apresentaram-se para mesa as servidoras Patrícia Pugliero da Rosa, Vilma Pimentel Siqueira, Jéverson Paim Machado e Luís Euclides Gonçalves da Rosa.

Colocada em votação via voto aberto todos aprovaram a composição dos nomes.

Tomando então a palavra a servidora Patrícia convidou a mim, Vilma, para secretariar os trabalhos, juntamente de Jéverson, o que de pronto aceitamos. Assim, na função de secretária, passei a ler a convocação da categoria através de convite distribuído na cidade e postos de trabalho, a saber:

1º) Chamamento da antiga diretoria do Sindicato para prestação de conta, prestação das atividades realizadas pela gestão, como assembleias, apresentação de livro de ata e ficha de sócios e carta sindical.

2º) Declaração de nulidade do Edital de Eleição por falta de publicidade e por estar em desacordo com o Estatuto Social.

3º) Nomeação de comissão eleitoral para condução de processo eleitoral.

Em atendimento ao primeiro ponto da pauta foi feita a chamada de algum representante da direção convocada para manifestação. Embora a insistência houve ninguém se apresentou, nem ao menos encaminharam as documentações requeridas, caracterizando o descaso para com o convite enviado via publicação em várias formas de publicidade. Registra a mesa que o chamamento foi providenciado através de várias tentativas, e que, inclusive, o suposto presidente Ângelo Tertuliano negou-se a receber o convite.

Criou-se então no ambiente intenso burburinho pelos presentes na reunião, fato que obrigou a servidora Vilma a pedir silêncio e, logo após, propôs que a partir deste momento o suposto presidente do sindicato Ângelo não mais representará a categoria, até porque, diante da ausência, não comprovou sua legitimidade para o cargo.

A proposta foi colocada em votação sendo aprovada por unanimidade. A seguir, Patrícia explica que os demais pontos de pauta viriam para dar continuidade ao primeiro ponto, agora frustrado. Assim, em virtude da ausência da apresentação dos referidos documentos, propôs que fosse suspensa a continuidade da Assembleia e que oportunamente seria novamente convocada para dar continuidade aos trabalhos, ou seja, dos itens dois e três da ordem do dia.

Colocada em votação foi novamente aprovada por unanimidade. A seguir, foi dito que aí se inclui a retirada da pauta da nomeação de comissão eleitoral, organização esta que viria também para nomeação de comissão de reestruturação do Sindicato dos Municipários, aliado à busca da documentação de regularidade do mesmo, junto aos órgãos competentes.

Também colocada em votação de onde foi aprovado por unanimidade. Retomando a palavra a servidora Patrícia discorreu brevemente sobre a necessidade de que a classe deveria discutir sobre a reforma administrativa federal que vem por aí, proposta que vai atingir a todos os servidores públicos do país e que poderá mudar o rumo de nosso trabalho na Prefeitura Municipal.

Lembrou que diversas leis trabalhistas e previdenciárias já foram aprovadas pelo Congresso Nacional e causaram enormes prejuízos à classe dos servidores públicos bem como da classe trabalhadora em geral. E se não prestarmos atenção ao que virá com a tal Reforma Administrativa outros prejuízos ainda virão para achatar ainda mais a já combalida classe, como é nosso caso.

Por isso então foi chamado este encontro, ou seja, para tratarmos exatamente da nossa organização sindical. E para avançar nas discussões sobre este assunto e sobre encaminhamentos que poderíamos construir em primeiro seria necessário que todos tivessem conhecimento das atividades do sindicato das quais não tem notícias desde há muito tempo.

Repisando o que já foi, bem por isso pedimos no edital que sejam apresentados pela secretaria sindical os livros e registros da entidade, bem como a Carta Sindical, documento este que legitíma a existência do sindicato. A seguir, a mesa recolheu-se por alguns minutos e, no entendimento de que a presente assembleia ficará suspensa até nova convocação, nada impediria de desde logo fosse criada uma equipe para providenciar a entrega da documentação solicitada no primeiro ponto da pauta.

De pronto se prontificaram os seguintes servidores: Paulo Renato Dotta, Josseli da Silva Rodrigues, Ieda Maria Saccardi, Romeu Solei Baptista Andrade, João Batista Jaques Dejuli, Adão Valério Severo Pereira, Jéverson Paim Machado, Célio Soares Pedroso, Patrícia Pugliero da Rosa, além de mim, Vilma Pimentel Siqueira.

Colocado em votação a nominata foi aprovada também por unanimidade. Decidiu-se então que este grupo irá solicitar ao ex presidente do Sindicato a documentação que não foi apresentada hoje e que, se porventura constatada alguma irregularidade, será questionada no novo encontro para decidir que rumos tomar a partir de então. Além disso, se necessário, a comissão nomeada fica autorizada a tomar medidas judicias para alcançar seus objetivos, inclusive contratando advogados para as medidas cabíveis.

Colocada em votação, aprovada por unanimidade, isto é, sem abstenções nem votos contrários. Em conclusão, fica registrado na presente que fica afastada a antiga gestão, que comissão escolhida tem poderes para buscar a documentação solicitada e não entregue, comunicar a Prefeitura Municipal sobre bloqueio das contas bancárias e, consequentemente, da impossibilidade de novos depósitos, bem como a comunicação aos órgãos competentes. Ouvidas as manifestações pertinentes de alguns servidores ativos e inativos acerca do histórico sindical e do trato da gestão anterior para com o interesse dos servidores, bem como da ausência de transparência e desrespeito ao previsto no Estatuto.

Por fim, sem mais itens a serem discutidos, foi encerrada esta Assembleia Geral Extraordinária, exatamente às dezoito horas, de onde lavro a presente pelos componentes da mesa assinada e pelos presentes, conforme lista anexada.

Patrícia Pugliero da Rosa – Presidente dos Trabalhos                                                     

Vilma Pimentel Siqueira  –  Secretária da mesa

Jéverson Paim Machado – Segundo secretário da mesa

Luís Euclides Gonçalves da Rosa – Secretário de Comunicações

Nossa reportagem esteve no local, e transmitiu ao vivo pelo Facebook parte da assembléia, você pode ver no vídeo abaixo:

 

 

 

Continue lendo

Popular