Contato

Cidade

Alegrete é o primeiro município a retomar Balde Cheio no RS

Alegrete deu um passo importante rumo ao fortalecimento da bacia leiteira com o início das atividades do Balde Cheio, programa desenvolvido há 21 anos pela Embrapa. O evento de lançamento aconteceu na sede da Acripleite (Associação dos Criadores e Produtores de Leite de Alegrete), no Parque de Exposições Lauro Dornelles, e contou com a presença de representantes da Embrapa, Prefeitura local, Emater/RS-Ascar, Sicredi, Fundação Maronna, além dos produtores da Associação e do profissional que fará a instrução das atividades do Balde Cheio em Alegrete, Juliano Alarcon Fabrício.

Mesmo com produção crescente entre os anos de 2009 e 2018, culminando com um total de 13 milhões de litros de leite no último ano, é consenso no município que com alguns ajustes ou mudanças dentro da propriedade é possível aumentar e qualificar essa produção, com ganhos de conhecimento e econômicos para os produtores e para toda a cadeia produtiva do leite.

É justamente nesse sentido que caminha o Balde Cheio, mas sem apresentar um modelo pronto, levando em conta as características de cada propriedade e o perfil de cada produtor. A ideia é realizar um diagnóstico do estabelecimento rural e, a partir daí, com o acordo do técnico e do produtor, estabelecer metas e um planejamento para alcançá-las.

Estes ajustes ou mudanças vão desde a melhoria na produção de forragem para os animais até o controle zootécnico do rebanho e um melhor gerenciamento e organização da propriedade. “Nós temos exemplos de produtores que tinham renda anual de R$ 900,00 e hoje estão batendo a meta de 1 milhão de reais/ano. É claro que isso não é fácil, demanda muito trabalho, demanda tempo, mas é possível. Temos produtores que estão chegando a lugares que jamais imaginaram alcançar”, destacou Fabrício.

Apesar de fundamental, o ganho econômico não é um pilar isolado para o sucesso do programa. O incentivo a qualificar a produção e a melhor gerir a propriedade também estimula o produtor e o técnico assistente. Aposentada das atividades de professora na cidade, Sandra Soares Vargas voltou para o campo com o objetivo de levar para frente o sonho que alimentou durante muito tempo, o de produzir leite, como seu pai fizera no passado. Selecionada para participar do Balde Cheio, a produtora revigora uma força de trabalho que já parece infindável. “Eu acordo às 4h da manhã e muitas vezes a rotina de trabalho vai acabar 22h, à noite. O que me anima é estar fazendo aquilo que gosto”, diz.

Contemplada com a primeira visita técnica do programa ela já planeja colocar em prática todas as primeiras recomendações dadas pelos profissionais, como a de detalhar melhor algumas anotações da propriedade e a de ajustar os ciclos de alimentação dos animais, assim como deixar o acesso livre para vacas também se alimentarem durante a noite, de forma que tenham o rúmen com comida pelo menos a cada quatro horas, uma das indicações importantes para aumentar a produção.

“Vou seguir todas as recomendações técnicas. Hoje temos 54 vacas em lactação, produzindo 18,5 litros de leite ao dia. Minha meta inicial é chegar a 22 litros por vaca ao dia. O objetivo de forma geral é melhorar a produção, mas é claro que a gente pensa também em sobrar um pouco mais de lucro no final do mês”, destaca.

Projeto nacional

Criado em 1998 pelo pesquisador Artur Chinelato, da Embrapa Pecuária Sudeste, o Balde Cheio é agora um projeto nacional. Conforme a pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul, Renata Suñé, uma das coordenadoras do programa no RS, a organização do trabalho em rede facilita o processo de interpretação das propriedades e aplicação local das tecnologias.

“Esse projeto está completando 21 anos, e se transformou há dois anos em um projeto nacional, em rede, o que vai nos permitir alocar de forma mais direcionada as tecnologias que já foram desenvolvidas para determinada região. Além disso, é nosso papel fazer essa articulação entre as instituições que integram o projeto e também podemos oferecer a nossa infraestrutura para treinamento, para análises, para eventos, assim como o acompanhamento geral das atividades técnicas que serão exercidas dentro da propriedade”, explicou a pesquisadora.

A metodologia ao longo dos anos tem proporcionado ao produtor a evolução em termos econômicos e também nos índices técnicos. Mas não é apenas o produtor que ganha. “O que acontece é o que chamamos da política do ganha-ganha. Ganha o técnico que se qualifica, ganha a região que aumenta sua receita e aumenta o emprego, ganha o produtor, que diminui despesas e aumenta a lucratividade, etc. Esse valor de 13 milhões de litros de leite produzidos em 2018 em Alegrete representa cerca de 1 milhão de reais por mês, injetado na economia local. Então muita gente acaba andando junto nesse negócio, que ainda tem um potencial enorme de crescimento”, pontuou o analista da Embrapa Clima Temperado, Sergio Bender.

Programa Mais Leite 4.0

O programa Balde Cheio já foi desenvolvido em Alegrete em meados dos anos 2000 e agora retorna ao município como uma das estratégias integrantes do Programa Mais Leite 4.0, que engloba uma série de atividades para incrementar a bacia leiteira alegretense.

Presente durante o lançamento do projeto, o prefeito de Alegrete, Márcio Amaral, comemorou o retorno do Balde Cheio ao município. “Estamos muito felizes com a retomada desse trabalho, que vai ajudar muito a bacia leiteira de Alegrete”, disse. Com um momento de baixo preço pago ao produtor de leite, o engenheiro agrônomo da Prefeitura, Leonardo Cera, destaca que a ação de direcionar esforços para a atividade é uma forma de manter a motivação do produtor. “Com essas ações buscamos qualificar os trabalhos dentro das propriedades, para que nenhum produtor saia da atividade”, completou.

Alegrete contará com sete Unidades Demonstrativas (UDs) do Balde Cheio, cada uma com o acompanhamento técnico de um profissional do município, além da instrução geral feita pelo engenheiro agrônomo Juliano Alarcon Fabrício e visitas técnicas da Embrapa.

Balde Cheio

O Balde Cheio é uma metodologia de transferência de tecnologia que tem o objetivo de capacitar profissionais da assistência técnica, extensão rural e pecuaristas em técnicas, práticas e processos agrícolas, zootécnicos, gerenciais e ambientais. As tecnologias são adaptadas regionalmente em propriedades que se transformam em salas de aula. Estas são monitoradas quanto aos impactos ambientais, econômicos e sociais no sistema de produção após a adoção das tecnologias.

Como participar?

Técnicos e pecuaristas interessados em participar do programa devem entrar em contato com o coordenador ou instituição responsável em sua região. Para saber mais, entre em contato por meio do SAC da Embrapa ou pelo telefone (16) 3411-5754. No Rio Grande do Sul, as Unidades Embrapa Pecuária Sul (Bagé) e Embrapa Clima Temperado (Pelotas) podem prestar informações sobre o tema, através dos contatos (53) 3240-4650 e (53) 3275-8400, respectivamente.

fonte: https://www.agrolink.com.br

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Cidade

Servidores do Município convocaram associados ao Sindicato para Assembléia Geral Extraordinária

Servidores Municipais, descontentes com a atual diretoria do Sindicato dos Municipários de Alegrete, realizou na tarde deste sábado (26) no CTG Vaqueanos da Fronteira, uma assembleia Geral.

Em torno de 60 servidores participaram da assembléia, 30 estavam aptos a votação que conforme o estatuto vigente dá o direito a voto aos servidores com mais de 6 messes associado. 

Confira abaixo o conteúdo completo da ATA da Assembléia:

ATA DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DO ALEGRETE/RS

Aos vinte e seis dias do mês de setembro de dois mil e vinte, às dezesseis horas, em primeira chamada e, em segunda chamada às dezesseis horas e trinta minutos, na sede do CTG Vaqueanos da Fronteira, na Rua Bento Manoel, um mil quatrocentos e cinco, centro, Alegrete, RS, iniciou-se a ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA convocada pelos membros da categoria profissional, cuja lista de presenças vai anexa à presente ata. Sendo necessário uma direção para organizar o evento apresentaram-se para mesa as servidoras Patrícia Pugliero da Rosa, Vilma Pimentel Siqueira, Jéverson Paim Machado e Luís Euclides Gonçalves da Rosa.

Colocada em votação via voto aberto todos aprovaram a composição dos nomes.

Tomando então a palavra a servidora Patrícia convidou a mim, Vilma, para secretariar os trabalhos, juntamente de Jéverson, o que de pronto aceitamos. Assim, na função de secretária, passei a ler a convocação da categoria através de convite distribuído na cidade e postos de trabalho, a saber:

1º) Chamamento da antiga diretoria do Sindicato para prestação de conta, prestação das atividades realizadas pela gestão, como assembleias, apresentação de livro de ata e ficha de sócios e carta sindical.

2º) Declaração de nulidade do Edital de Eleição por falta de publicidade e por estar em desacordo com o Estatuto Social.

3º) Nomeação de comissão eleitoral para condução de processo eleitoral.

Em atendimento ao primeiro ponto da pauta foi feita a chamada de algum representante da direção convocada para manifestação. Embora a insistência houve ninguém se apresentou, nem ao menos encaminharam as documentações requeridas, caracterizando o descaso para com o convite enviado via publicação em várias formas de publicidade. Registra a mesa que o chamamento foi providenciado através de várias tentativas, e que, inclusive, o suposto presidente Ângelo Tertuliano negou-se a receber o convite.

Criou-se então no ambiente intenso burburinho pelos presentes na reunião, fato que obrigou a servidora Vilma a pedir silêncio e, logo após, propôs que a partir deste momento o suposto presidente do sindicato Ângelo não mais representará a categoria, até porque, diante da ausência, não comprovou sua legitimidade para o cargo.

A proposta foi colocada em votação sendo aprovada por unanimidade. A seguir, Patrícia explica que os demais pontos de pauta viriam para dar continuidade ao primeiro ponto, agora frustrado. Assim, em virtude da ausência da apresentação dos referidos documentos, propôs que fosse suspensa a continuidade da Assembleia e que oportunamente seria novamente convocada para dar continuidade aos trabalhos, ou seja, dos itens dois e três da ordem do dia.

Colocada em votação foi novamente aprovada por unanimidade. A seguir, foi dito que aí se inclui a retirada da pauta da nomeação de comissão eleitoral, organização esta que viria também para nomeação de comissão de reestruturação do Sindicato dos Municipários, aliado à busca da documentação de regularidade do mesmo, junto aos órgãos competentes.

Também colocada em votação de onde foi aprovado por unanimidade. Retomando a palavra a servidora Patrícia discorreu brevemente sobre a necessidade de que a classe deveria discutir sobre a reforma administrativa federal que vem por aí, proposta que vai atingir a todos os servidores públicos do país e que poderá mudar o rumo de nosso trabalho na Prefeitura Municipal.

Lembrou que diversas leis trabalhistas e previdenciárias já foram aprovadas pelo Congresso Nacional e causaram enormes prejuízos à classe dos servidores públicos bem como da classe trabalhadora em geral. E se não prestarmos atenção ao que virá com a tal Reforma Administrativa outros prejuízos ainda virão para achatar ainda mais a já combalida classe, como é nosso caso.

Por isso então foi chamado este encontro, ou seja, para tratarmos exatamente da nossa organização sindical. E para avançar nas discussões sobre este assunto e sobre encaminhamentos que poderíamos construir em primeiro seria necessário que todos tivessem conhecimento das atividades do sindicato das quais não tem notícias desde há muito tempo.

Repisando o que já foi, bem por isso pedimos no edital que sejam apresentados pela secretaria sindical os livros e registros da entidade, bem como a Carta Sindical, documento este que legitíma a existência do sindicato. A seguir, a mesa recolheu-se por alguns minutos e, no entendimento de que a presente assembleia ficará suspensa até nova convocação, nada impediria de desde logo fosse criada uma equipe para providenciar a entrega da documentação solicitada no primeiro ponto da pauta.

De pronto se prontificaram os seguintes servidores: Paulo Renato Dotta, Josseli da Silva Rodrigues, Ieda Maria Saccardi, Romeu Solei Baptista Andrade, João Batista Jaques Dejuli, Adão Valério Severo Pereira, Jéverson Paim Machado, Célio Soares Pedroso, Patrícia Pugliero da Rosa, além de mim, Vilma Pimentel Siqueira.

Colocado em votação a nominata foi aprovada também por unanimidade. Decidiu-se então que este grupo irá solicitar ao ex presidente do Sindicato a documentação que não foi apresentada hoje e que, se porventura constatada alguma irregularidade, será questionada no novo encontro para decidir que rumos tomar a partir de então. Além disso, se necessário, a comissão nomeada fica autorizada a tomar medidas judicias para alcançar seus objetivos, inclusive contratando advogados para as medidas cabíveis.

Colocada em votação, aprovada por unanimidade, isto é, sem abstenções nem votos contrários. Em conclusão, fica registrado na presente que fica afastada a antiga gestão, que comissão escolhida tem poderes para buscar a documentação solicitada e não entregue, comunicar a Prefeitura Municipal sobre bloqueio das contas bancárias e, consequentemente, da impossibilidade de novos depósitos, bem como a comunicação aos órgãos competentes. Ouvidas as manifestações pertinentes de alguns servidores ativos e inativos acerca do histórico sindical e do trato da gestão anterior para com o interesse dos servidores, bem como da ausência de transparência e desrespeito ao previsto no Estatuto.

Por fim, sem mais itens a serem discutidos, foi encerrada esta Assembleia Geral Extraordinária, exatamente às dezoito horas, de onde lavro a presente pelos componentes da mesa assinada e pelos presentes, conforme lista anexada.

Patrícia Pugliero da Rosa – Presidente dos Trabalhos                                                     

Vilma Pimentel Siqueira  –  Secretária da mesa

Jéverson Paim Machado – Segundo secretário da mesa

Luís Euclides Gonçalves da Rosa – Secretário de Comunicações

Nossa reportagem esteve no local, e transmitiu ao vivo pelo Facebook parte da assembléia, você pode ver no vídeo abaixo:

 

 

 

Continue lendo

Cidade

Amarelinhas pintadas em calçadas incentivam a volta à Infância

Quem passar pela rua dos Andradas, na altura do número 28, vai se deparar com uma amarelinha pintada na calçada. 

Foi pensando nisso, que o lojista Juliano Silveira, que tanto tem contribuído com  iniciativas coletivas e solidárias, nesta pandemia, resgatou o hábito de pular amarelinha.
O Patrick Camargo, pintou o jogo na calçada e nos enviou o seguinte texto, a partir das palavras do Juliano Silveira:
“Uma ação, para fazer com que as pessoas de mais idade, relembrem sua infância, e que seja uma inspiração para as crianças de hoje, motivando-as a realizarem atividades lúdicas de cunho físico ajudando na coordenação motora, noção espacial e interação com outras crianças. E, principalmente, fazer com que outros cidadãos, comerciantes, entidades públicas, etc… façam o mesmo. Seria maravilhoso disseminar essa causa positiva. Quanto mais pessoas aderirem à ideia, melhor. E que nunca deixemos morrer a criança no interior da gente. Para sermos um “gigante” temos que ter a grandeza de uma criança que busca nas asas da imaginação resolver todos os problemas do mundo”.
 
A ideia foi aceita também pela UNOPAR, que pintou em sua calçada uma amarelinha e postou o seguinte texto em sua pagina do Facebook:
 
– Amarelinha é uma brincadeira popular. A palavra “amarelinha” vem do francês marelle, que por adaptação popular ganhou a associação com amarelo e o sufixo diminutivo.
Acredita-se que amarelinha teria sido inventada pelos romanos, já que gravuras mostram crianças brincando de amarelinha nos pavilhões de mármore nas vias da Roma antiga. Na época, o percurso carregava o simbolismo da passagem do homem pela vida. Por isso, em uma das pontas se escrevia céu e, na outra, inferno.
 
Continue lendo

Cidade

Publicado novo decreto Municipal que autoriza Reuniões corporativas e outra atividades similares

DECRETO MUNICIPAL Nº 673, DE 23 DE SETEMBRO DE 2020

Conforme o que estabelece o Decreto Estadual nº 55.495 de 21 de setembro de 2020:

Ficam autorizados, desde que observem as medidas sanitárias segmentadas instituídas pelo Estado, às seguintes atividades: feiras e exposições corporativas ou comerciais; seminários, congressos, convenções, simpósios, conferências, palestras e similares; reuniões corporativas, oficinas, treinamentos e cursos corporativos.

Continue lendo

Ler edição online

Facebook

Previsão do tempo

 

 

Popular