Tio mete a mão boba onde não é permitido.

Uma mulher registrou queixa contra um familiar por falta de modos e assédio sexual. Segundo ela, o tio morava em Porto Alegre, mas retornou à cidade, por estar meio deleriado das idéias e aqui, teria uma vida mais sossegada, uma vez que ele tem dificuldades para enxergar e falar. Estas deficiências tornaram o idoso dependente de cuidado permanente.
A família daqui o recebeu, sem saber exatamente o mal que afligia o tio. Ele veio e ficou instalado numa casa da frente, sendo que seus parentes continuaram em casas do fundo do terreno.
De uns tempos para cá, a doença dele se manifestou em querer apalpar uma das sobrinhas. O sintoma da mão boba se manifestava toda vez que ela passava perto. Um tapa no bumbu, seguido de palavras indecifráveis, foi se tornando em atos contínuos e compulsivos, até que agora no mês passado ele declarou seu intento: armado de um afaca o tio meio abilolado, fez ameaças para a parenta dizendo que queria as coisas com ela.
Daí a vítima não pelou a coruja e quase deu um boxe no tio. Ele passou a persegui-la com uma faquinha no bolso, até mesmo na rua. Nesta semana ela estava se dirigindo ao mercado, quando ele se encarnou e disse que tinham que manter relações íntimas senão ele iria se matar.
Quando ela voltou para casa, ele havia pendurado uma corda na porta e havia um bilhete embaixo: di amo…Daí ela ligou para os familiares em Porto Alegre, para saber que doença “tinha a bucha”. Soube então que era surto da mão boa, e que lá também ele vivia bolinando os familiares, que resolveram embalar a criança e enviar com mala e cuia para Alegrete.
Bem, daí ela leu o bilhete, pediu medidas protetivas e vai dar um ferraço nele na Justiça, pra ele aprender a respeitar as caras e acabar com o surto da mão tarada.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *