Contato

Tecnologia

“‘Pokémon Go’ é máquina de coleta de dados”, alerta especialista

Aplicativo armazena informações “exatas e detalhadas” sobre cada movimento do usuário e pode condicionar o comportamento do consumidor, afirma comissária alemã para privacidade.

Screenshot de tela com um monstro do aplicativo Pokémon Go

A comissária para a privacidade no estado alemão de Schleswig-Holstein, Marit Hansen, lançou um alerta sobre o Pokémon Go. Em entrevista ao jornal alemão Handelsblattpublicada nesta sexta-feira (05/08), Hansen afirmou que o jogo armazena dados “exatos e detalhados” de cada movimento dos usuários pelas ruas.

“É uma máquina gigante de coleta de dados”, disse, acrescentando que o aplicativo de realidade aumentada, além de espionar, também pode condicionar o comportamento do consumidor.

A Niantic, empresa baseada na Califórnia e que ajudou a desenvolver o jogo, não buscou apenas acesso a câmeras e microfones, mas também disponibilizou uma ferramenta de marketing para “deliberadamente orientar” os usuários do jogo aos chamados “Pokestops” em estabelecimentos comerciais, afirmou Hansen.

A especialista em política de privacidade apontou também para a falta de controles legais, repetindo diversas advertências recentes sobre o aplicativo feitas em Nova York, na Austrália e nos Emirados Árabes Unidos.

“Como o jogo utiliza um provedor de fora da Europa, não temos o apoio jurídico para agir”, disse Hansen, referindo-se às disputas entre União Europeia (UE) e os EUA sobre a transferência de dados transatlânticos e a cooperação da Niantic com o Google Maps.

No mês passado, a Federação das Associações Alemãs de Consumidores (VZBV, na sigla em alemão) disse que contestou 15 cláusulas dos termos de uso e privacidade da Niantic, dando à empresa americana até 9 de agosto para responder. Caso a Niantic não se pronuncie, a VZBV advertiu levar o caso a um tribunal.

20160805075650176783e

“Era do controle total”

O editor-adjunto do Handelsblatt, Thomas Tuma, disse em seu editorial desta sexta-feira: “Pokémon Go é o ponto de partida para uma nova era de controle total.” Em apenas três semanas, 75 milhões de pessoas baixaram o aplicativo – “todas sem terem sido forçadas ou mostrado resistência”, disse Tuma.

“Fisgados, porque é inicialmente gratuito, temos de pagar mais do que nunca com os nossos dados”, incluindo nossas listas de amigos, acrescentou Tuma.

O jogo, lançado no Brasil na noite desta quarta-feira, envolve diversos problemas graves, alerta o editor, porque todos os “monstrinhos são os cavalos de Troia com os quais a indústria da internet abre o caminho para nossas cabeças e nossas carteiras”. “Nós, os usuários, estamos sendo explorados”, disse. “Os que estão sendo capturados somos nós mesmos.”

 

Campo fértil para criminosos

1-yBD8tXsMpaQM-d1BXAu-yg

Na segunda-feira, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, ordenou que o departamento correcional proibisse que os cerca de três mil criminosos sexuais do estado usassem oPokémon Go.

Uma das ferramentas do jogo, que permite aos usuários colocar iscas para atrair jogadores a locais específicos, possui o potencial de ser usada por “predadores” em busca de crianças, afirmou Cuomo. Em seu site, a Niantic diz que os usuário não podem ter menos de 13 anos de idade para jogar seus jogos.

Nos EUA, a mania Pokémon Go levou pessoas a andar em quintais, calçadas, cemitérios e até mesmo em estacionamentos policiais – sempre em busca dos monstros do famosos desenho animado Pokémon.

Nos Emirados Árabes Unidos, há duas semanas, a autoridade de telecomunicações TRA alertou os usuários para não ativarem as câmeras de seus celulares em casa ou em outras áreas privadas. E na Austrália, a polícia comunicou que um casal foi ameaçado com uma arma num parque ao sul de Sydney.

 

Pedro Mello

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Manchete

Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo

Os clientes do Banco do Brasil (BB) que recebem aposentadorias, auxílios e pensões do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderão usar o aplicativo da instituição financeira para fazer a prova de vida. A novidade está disponível desde hoje para quem recebe por meio de crédito em conta.

Para os clientes que sacam os benefícios pelo cartão, o serviço estará disponível em breve. Segundo o BB, a prova de vida por meio do aplicativo não apenas traz mais comodidade e segurança aos beneficiários como ajuda no enfrentamento à pandemia de covid-19, ao diminuir a necessidade de comparecimento às agências.

A prova de vida está disponível no menu “Serviços”, na área lateral do aplicativo. Basta o correntista ou poupador clicar em “INSS” e em “Prova de Vida INSS”. O aplicativo pedirá fotos frente e verso do documento oficial de identificação e uma selfie para concluir o processo.

As imagens serão analisadas pelo banco. Durante o processo, o beneficiário pode acompanhar pelo próprio aplicativo se a prova de vida foi aceita e quando ele terá de repetir o processo. Quem tem pendências na realização da prova de vida ao longo de 2020 será comunicado sobre a novidade, assim como os clientes digitais. Os correntistas que ainda não têm o aplicativo instalado receberão o aviso nos caixas eletrônicos.

Obrigatória para aposentados e pensionistas, a prova de vida deve ser feita uma vez por ano, para impedir o bloqueio do pagamento dos benefícios da Previdência Social. No último dia 26, o INSS publicou portaria suspendendo os bloqueios até abril deste ano , em decorrência da pandemia de Covid-19.

 

POR: CORREIO DO POVO

Continue lendo

Manchete

Jornalistas se mobilizam contra bloqueio do Twitter de Luiz Antônio Araujo

O jornalista Luiz Antônio Araujo teve sua conta no Twitter bloqueada em 6 de janeiro, após publicar duas imagens: uma da mesa da presidente da Câmara de Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, vandalizada por invasores do Capitólio, e outra da mesa do personagem Dwight Schrute, da série ‘The Office’. Conforme Luiz Antônio, a decisão da plataforma foi ele ter violado a regra que proíbe “publicar ou postar informações de outras pessoas sem autorização e permissão expressas”. A ocorrência mobilizou colegas profissionais que têm se manifestado na própria rede social pelo fim da restrição.

“A imagem da mesa de Pelosi correu o mundo no dia da invasão do Capitólio. A invasão de seu gabinete é notícia de interesse público. Foi inclusive tuitada por jornalistas verificados. A da mesa de Dwight Schrute é uma peça de cenário de série de TV. Não quero acreditar que, em um momento tão grave para o Brasil e o mundo, o Twitter esteja engajado na defesa da privacidade de um personagem de ficção”, declarou o jornalista, em entrevista ao Coletiva.net. Ele acredita que nenhuma das duas fotos configura informação de natureza privada, e que, desta forma, o bloqueio à sua conta seria injustificado, sem base nas regras do Twitter, na legislação e na ética jornalística.Para recuperar seu espaço na plataforma, Luiz Antônio tentou entrar em contato com os gerenciadores. Em um primeiro momento, seguiu o caminho indicado pelo próprio Twitter, apresentando recursos contra a iniciativa. Desde o dia do acontecimento ele já escreveu três vezes expondo as razões. Nesta quinta-feira, 14, ele trocou mensagens com uma funcionária da empresa que lhe enviou um formulário eletrônico, que possibilitou que ele trocasse a senha. A conta, no entanto, segue bloqueada. “Terceiros podem visualizá-la. Eu não consigo sequer abri-la no celular ou no computador. Só sei que ainda existe porque amigos me dizem que a estão abrindo normalmente”, explicou.

O caso mobilizou colegas de profissão que têm se manifestado na própria rede pelo fim desta restrição. Um dos primeiros a se manifestar foi o jornalista e escritor, ex-ombudsman da Folha de São Paulo, Mário Magalhães. Ele escreveu nesta quarta-feira, 13: 

A jornalista mais premiada da história, a gaúcha Eliane Brumm escreveu hoje, ao retuitar Mário:

Alexandre Aguiar, Fabiano Costa, Graciliano Rocha, Larissa Roso, Leandro Fontoura, Marcelo Canellas e Rubens Valente foram outros profissionais de imprensa que se manifestaram. 

Fonte: Coletiva.net /Matéria original

Manifesto da Associação Brasileira de Imprensa-ABI

 

Continue lendo

Cidade

Live Editais Municipais Lei Aldir Blanc em Alegrete

Atenção Artistas de Alegrete!
Participe da live “Editais Municipais: Lei Aldir Blanc em Alegrete”
E tire todas as suas dúvidas sobre os editais que serão lançados nos próximos dias.
…………………………………
Com Gabriela Marçal (Poder Público)
Mediação: Cássia Salgado (Sociedade Civil)
Dia: 28/11 – Sábado, às 19h
…………………………………
Transmissão via página da Diretoria de Cultura de Alegrete no facebook
…………………………………
Realização: Prefeitura de Alegrete – Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, Diretoria de Cultura e Comissão Gestora da Lei Aldir Blanc
Continue lendo

Popular