Contato

Esportes

Alexandre Rosa. Um alegretense que é exemplo de superação

untitled

13428434_993886780707596_8527766084198560498_n

Atletas tem o gosto pelo desafio. Superação é o motor que move estes humanos, que trazem a aventura no sangue e vão criando na musculatura este acervo de adrenalina, de obstáculos superados e motivação.

Agora ponha tudo isto, num peito cheio de harmonia e musicalidade. Preencha este ser humano de mais dificuldades  e estará diante de Alexandre Rosa, reconhecido como um dos melhores tanto como fundista e/ou cavaquinista. Alexandre é deficiente visual.

Quem vê e ouve o cavaquinho luxuoso do Alexandre conduzindo puxadores consagrados ou cantores renomados, talvez, não imagine o seu potencial como corredor de rua. Mas, quem o assiste correndo com desenvoltura não sabe que ele tira de ouvido os sambas mais classudos e melodiosos do país.

Há três anos ele iniciou sua trajetória como atleta. Sua esposa Rosane Machado sempre esteve lhe ajudando, porém Alexandre contou com o apoio e ajuda de outros corredores mais experimentados de Alegrete. Assim, passou a frequentar com certa frequência os pódios em disputas com atletas especiais. Neste meteórico palco de corredores, Alexandre foi despertado para as provas de longo percurso e agora praticamente está focado neste tipo de modalidade.

Deu um show de superação, improviso, sorte e arrancou aplausos do seu próprio coração, quando chegou em segundo lugar na Maratona Internacional de Porto Alegre, realizada dia 12, numa prova de 42 quilômetros.

Não foi nada fácil. O guia dele, foi Sérgio Luís Dias, que veio de Florianópolis até Porto Alegre, especialmente para ser o guia de Alexandre, porque já haviam disputado a meia maratona de Balneário Camburiu, e estavam entrosados.

Em Questão-  Como foi esta nova experiência Alexandre?

Alexandre- O frio intenso dificultou muito, pois a largada da categoria deficiente visual ocorreu às 6hs55min. e ainda estava escuro. No km 19 estávamos em um bom ritmo, mas o Sérgio reclamou de dores nas panturrilhas, pelo frio e pela falta de um devido aquecimento. Daí falei pra ele ver outro atleta pra me guiar, ele disse que iria comigo até o fim. No km 24 Sérgio não aguentou.

Em Questão- E daí, como fez para seguir e chegar até o final da prova?

Alexandre- Daí, então, ele pediu a um outro atleta que passava por nós no momento pra me guiar, o atleta topou de cara, era o tri atleta de Curitiba Rodrigo Quadri. Ele não titubeou em nenhum momento e me conduziu até o fim da prova. Terminei os 42 km em 3hs32min..Me sagrei vice campeão da prova. Não esperava pódio, já tava muito feliz de ter concluído toda a prova correndo. Os outros competidores já haviam disputado outras maratonas, enquanto eu estava apenas estreando.

Em Questão. Isto deve ser um estimulante e recompensa os obstáculos né?

Alexandre- Fiquei muito feliz e realizado, foi uma ótima estréia, eu diria que foi com o pé direito.

 

 

 

Um recorde de conquistas em curto espaço de tempo

 

sabrie

“Meu treinador Eduardo Peres Júnior de Porto Alegre disse que é pra eu focar nas maratonas, já que me saio muito bem em provas longas, é isso que faremos a partir de agora, escolheremos provas boas, treinaremos e vamos a ela”, garante Alexandre Rosa

Em três anos ele disputou cinco meia maratonas, oito provas de pista e 21 corrridas de rua e foi o primeiro atleta deficiente visual a disputar a Travessia Torres Tramandaí, prova que ocorre na areia. “Aqui em Alegrete estou infelizmente sem guias, tenho executado meus treinos geralmente na academia Corpus, com meu amigo ciclista Luciano Brasil, ou ainda, de vez enquando, com minha mulher Rossana Machado, na moto. O que importa pra mim é treinar, seja o jeito que for!”, disse.

Estes treinos não são aleatórios. O pódio tem sido constante para Alexandre porque o treinador Eduardo Peres Júnior envia os treinos, “ e eu executo aqui e envio o relatório de como foi pra ele”, explica. Quais são as dificuldades reais para se “ranquear” como atleta de alta performance no RS, pergunta o EQ: “estou carecendo de mais apoios, patrocínios, a alimentação de um atleta é diferente, rica em proteínas, frutas, cereais, carbo-hidratos, se tiver como, de repente algum mercado aceita por o nome em uma camisa minha e me dá uma ajuda”.

Alexandre está se tornando uma marca positiva de Alegrete. Empresas e empresários que enxergam boa oportunidade em associar seus produtos em quem agrega, tem virtudes incontestáveis e tem espírito vencedor, está caindo de maduro Alexandre Rosa e sua espetacular trajetória de superação e relevância.

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Esportes

Associação Jogos da Solidariedade (AJS) completa 10 anos de ação esportiva e social

Neste dia 24 de fevereiro, a ASSOCIAÇÃO JOGOS DA SOLIDARIEDADE, criada em 2011 completa mais um ano de vida, de muito trabalho, de muitas ações e eventos, com seu objetivo “unir esporte e educação com muita solidariedade”, o idealizador Roger Dorneles Severo. Durante os 10 anos de Associação, 15 anos de competição, foram arrecadados mais de 76.000 doações, muitas entidades e famílias beneficiadas, uma longa história, são mais de 1450 partidas oficiais, 16.150 atletas já disputaram as competições. Parceiros e colaboradores, além dos patrocinadores que sempre ajudaram, cabe destacar a Prefeitura Municipal de Alegrete (gestões de 2008 a 2020), a empresa CAAL desde 2006, também o Governo do Estado do RS, através da extinta Fundergs de (2012 a 2015).
 
Hoje, é o Maior Campeonato Solidário da Fronteira, dentre as principais homenagens, no ano de 2009 recebeu a Comenda Municipal Direitos Humanos pelos relevantes serviços prestados a comunidade; ainda em 2009 se torna Lei Municipal 4.284/2009, de autoria do vereador Sandro Barua (PP); em 2013 se torna de Utilidade Pública lei 5.065/2013, de autoria do vereador Róger Severo (PP), seu idealizador; já no ano de 2013 o ápice da Associação, que recebe a outorga dentre os melhores projetos sociais do RS, Prêmio Mérito Esportivo Estrelas do Esporte do RS, categoria “Projeto Social” distinção da Secretaria Estadual do Esporte e Lazer RS / Fundergs e Rádio Gaúcha de Porto Alegre RS.
 
Ousou disputar por 04 anos (2012 a 2015), o Campeonato Estadual Gaúcho de Futsal, apesar das longas distâncias, se rankiar entre as melhores equipes do Estado, nas categorias de base, escolhidas do Sub 09, Sub 11 e Sub 13, apesar de curto espaço de participação são “três” medalhas inéditas conquistadas, sendo Vice-Campeão na Sub 09 (2012), 3º lugar Estadual na Sub 11 (2012) e 3º lugar Estadual na Sub 09 (2013)
 
O presidente gestão 2020/2023, é o professor Fernando Azevedo do Nascimento. Foram presidentes da AJS, Roger Dorneles Severo, Christian Nogueira da Silva e Rogers Ribeiro Gonçalves. O evento tem seu site próprio, conta a história dos JOGOS DA SOLIDARIEDADE, muitas informações, página: www.jogosdasolidariedade.com.br – (número expressivo de acessos). Agradecimento a toda a Diretoria, aos torcedores que colaboram com ingresso solidário, aos pais e atletas, as famílias, a nossa IMPRENSA, jornais, rádios e televisão pelo apoio e divulgação.
 
 
COMO TUDO COMEÇOU EM 2006
 
2006 – 1ª Edição
Tudo iniciou em 2006, no mês de janeiro, idealizado e coordenado pelo professor de Educação Física, Róger Severo. No mesmo ano, o idealizador encaminhou o projeto para Rádio Alegrete, na pessoa do então Gerente João Ulisses de Souza e apresentou-o ao Diretor do IEEOA, Prof. Ismar Santos. Tanto, Ismar quanto João Ulisses, aceitaram o desafio de apoio total a competição unindo esporte e a educação, com objetivo principal que era a “SOLIDARIEDADE”.
 
Mas faltava uma grande empresa para dar o suporte nas despesas dos Jogos da Solidariedade, para que o projeto fosse realizado em Alegrete. Foi encaminhado o projeto a extinta CAAL Supermercados, na pessoa do Gerente Carlos Amarante (época), que aceitou o desafio, ao lado de Rádio Alegrete e do Oswaldo Aranha. Nascia em 2006, o maior campeonato solidário da fronteira
 
Muito trabalho a ser feito, pois faltava sair da “teoria” e do “papel” e ir para a prática a fim de executá-lo. A modalidade escolhida como “PROJETO PILOTO” foi a do futsal, em quatro categorias, escolhidas: “Livre, Sub 50, Sub 40 e Sub 35”.
O local dos jogos para o pontapé inicial foi no Ginásio do Oswaldo Aranha. Nesta 1ª edição foram realizados 09 campeonatos durante o ano, sendo 08 meses de competição, ininterruptos, com a participação de 45 equipes, 700 atletas e a arrecadação de 10 toneladas nas inscrições. Foram homenageados neste ano:
– professor Tarzil Viana (im memoriam);
– professor Evódio Ribeiro Severo (im memoriam);
– professor Ismar Santos (atual diretor do IEEOA);
– professor Ajax Parrot (im memoriam);
– funcionário do IEEOA Alípio Quintana (im memoriam);
– radialista João Ulisses de Souza (Então Gerente da Tchê Alegrete 590 AM);
Durante os jogos, desta 1ª edição, a portaria era “gratuita” e o acesso dos torcedores Ginásio ultrapassou 15 mil pessoas, onde tratava-se de evento solidário.
 
Durante o encerramento do projeto é proposto uma apresentação cultural e a coordenação do evento fecha parceria com o Ballet Copélia, coordenado pela Profª Elza Melo. O tema escolhido pela coordenação é a “Copa do Mundo que seria realizada na Alemanha, em 2006”. As bailarinas escolhem a música “brasileirinho” para homenagear os alegretenses e o torcedor brasileiro.
 
O desportista Nilo Gonçalves foi o atleta mais antigo da competição, disputando a categoria “cinquentinha” com seu América. Já um dos ícones do futsal o atleta Lefor Lourenço Lucho, o “Lefor” disputou o Torneio pela equipe do Montenegro na categoria Livre. Foi uma das referências de Alegrete no cenário estadual gaúcho, atuando no Campeonato Estadual Gaúcho e Liga Nacional de Futsal, pela Assoeva da cidade Venâncio Aires.
 

Fonte: Minuano FM

Continue lendo

Esportes

Inter perde para o Flamengo e não é mais líder do Brasileirão

Em partida dura, tensa e equlibrada, o Inter foi superado pelo Flamengo, no Maracanã, por 2 a 1, e agora não depende mais de si para ser campeão brasileiro. Na segunda colocação, o Colorado precisa vencer o Corinthians e torcer para que o Rubro-Negro não triunfe sobre o São Paulo na última rodada, na quinta-feira, às 21h30min. 

A equipe de Abel Braga fez um jogo de aplicação tática e entrega no Rio de Janeiro. Aos 9 minutos, Edenilson abriu o placar de pênalti, com o Inter melhor no jogo e sem levar sustos. Os cariocas empataram com Arracaeta, aos 28, com lance individual de Bruno Henrique. 

Na volta do intervalo, em uma lance infeliz, Rodinei foi expulso – com auxílio do VAR – após pisão em Filipe Luís, logo no começo da segunda etapa. Mesmo com um a menos, o Colorado era quem dominava. No entanto, na qualidade de seu ataque, o Flamengo marcou o segundo com Gabriel Barbosa depois de linda assistência de Arrascaeta.

Equilíbrio na primeira etapa

Focado, o Inter fez um primeiro tempo de aplicação tática e muita qualidade na transição entre o ataque e a defesa no Maracanã. Sem dar espaços para o Flamengo, o Colorado buscava explorar a velocidade de seu ataque. Aos 5 minutos, Edenilson lançou Yuri Alberto e obrigou o goleiro Hugo a deixar a meta para cortar. 

A postura da equipe de Abel Braga logo surtiu efeito. Aos 9 minutos, Gustavo Henrique puxou a camisa de Yuri Alberto dentro da área e Raphael Klaus marcou a penalidade. Na cobrança, Edenilson bateu com perfeição e converteu. O gol deixou a equipe colorada confortável na partida. Na sequência, aos 13 minutos, quase Yuri Alberto ampliou. O atacante recebeu na entrada da área e finalizou para fora. 

O Colorado sentiu o gol e cedeu mais espaços para os cariocas. Aos 30, Lomba abandonou a meta para agarrar firme e impedir Gabriel de marcar. Na sequência, Arrascaeta serviu Bruno Henrique dentro da área, mas o atacante não conseguiu desviar para gol. A resposta do Inter chegou aos 42 minutos, com Rodinei. Após lance de Caio Vidal pela ponta direita, o lateral pegou a sobra e finalizou na trave de Hugo, assuntando os flamenguistas. 

Expulsão polêmica e virada flamenguista

Logo no começo da segunda etapa, Rodinei acabou pisando no calcanhar de Filipe Luís em lance no meio de campo. O árbitro Raphael Klaus foi até o VAR, analisou o lance e expulsou o lateral-direito colorado. Abel colocou Heitor no lugar de Praxedes para ocupar o espaço e Ceni arriscou com Pedro no lugar do lateral Isla. 

Mesmo com um a menos, o Inter foi quem quase marcou. Aos 11, em grande lance, Patrick passou por três marcadores e rolou para Caio. O atacante finalizou em cima de Filipe Luís. Pela vantagem númerica, Ceni promoveu outras duas mudanças no time, tirando Rodrigo Caio e Diego e colocando João Gomes e Natan. As mexidas deixaram o Flamengo bagunçado em campo. 

No entanto, na qualidade do time, saiu o segundo gol dos donos da casa. Gabriel Barbosa puxou o contragolpe, rolou para Arrascaeta. O meia fez lindo passe para o atacante, que desviou na saída de Lomba. Depois de passar na frente no placar, o Flamengo retomou sua formação inicial, mas não controlava a partida. 

Aos 27 minutos, Edenilson e Patrick trocaram passes na entrada da área. A bola chegou até Moisés, o lateral cruzou em cima de João Gomes. O jogo ficou eletrizante. Com o Inter precisando do empate para seguir na liderança e o Flamengo tentando manter a vantagem. 

 
Fonte: Correio do Povo
 Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / CP
Continue lendo

Esportes

Alegretense fará parte do Plantel Profissional no Gauchão 2021

 

Gabriel Nunes Rios,19 anos,  foi visto por Moisés de Mello ex Boca Juniors que desde 2019 trabalha com Jogadores Alegretenses

O Primeiro Torneio onde Atuou Gabriel, levado por Moisés em Arroio do Sal em 2020 onde terminou o torneio com 4 Jogos e 3 Gols atuando pelo Sub 20 do Propestara de Santa Catarina assim se destacando e sendo levado para o Banfield da Argentina a um período de Adaptação.

Gabriel Nunes Rios participou de  12 Jogos e fez 8 Gols temporada 2019, sua atuação nos jogos despertou interesse do Riestra FC ( Clube Futebol Argentino ) e Almirante Brown Último Campeão Argentino da segunda divisão .

Foram enviados Vídeos do desempenho em campo de Gabriel para os dois times criando assim a expectativa de que o Alegretense fosse chamado.

O Jogador esteve na Argentina em 2020 onde esteve na Sub 20 do Banfield clube que disputa a primeira divisão do Campeonato Argentino,no período de Janeiro a Abril, mas no inicio da pandemia teve que regressar ao Brasil, passando então a atuar no AGE PRS de Garibalde, tendo uma ótima atuação, e que fará parte do Plantel Profissional no Gauchão 2021 até a abertura da Fronteira e se apresentar nos Clubes Argentinos.

 

 

Continue lendo

Popular