Contato

Esportes

Alexandre Rosa. Um alegretense que é exemplo de superação

untitled

13428434_993886780707596_8527766084198560498_n

Atletas tem o gosto pelo desafio. Superação é o motor que move estes humanos, que trazem a aventura no sangue e vão criando na musculatura este acervo de adrenalina, de obstáculos superados e motivação.

Agora ponha tudo isto, num peito cheio de harmonia e musicalidade. Preencha este ser humano de mais dificuldades  e estará diante de Alexandre Rosa, reconhecido como um dos melhores tanto como fundista e/ou cavaquinista. Alexandre é deficiente visual.

Quem vê e ouve o cavaquinho luxuoso do Alexandre conduzindo puxadores consagrados ou cantores renomados, talvez, não imagine o seu potencial como corredor de rua. Mas, quem o assiste correndo com desenvoltura não sabe que ele tira de ouvido os sambas mais classudos e melodiosos do país.

Há três anos ele iniciou sua trajetória como atleta. Sua esposa Rosane Machado sempre esteve lhe ajudando, porém Alexandre contou com o apoio e ajuda de outros corredores mais experimentados de Alegrete. Assim, passou a frequentar com certa frequência os pódios em disputas com atletas especiais. Neste meteórico palco de corredores, Alexandre foi despertado para as provas de longo percurso e agora praticamente está focado neste tipo de modalidade.

Deu um show de superação, improviso, sorte e arrancou aplausos do seu próprio coração, quando chegou em segundo lugar na Maratona Internacional de Porto Alegre, realizada dia 12, numa prova de 42 quilômetros.

Não foi nada fácil. O guia dele, foi Sérgio Luís Dias, que veio de Florianópolis até Porto Alegre, especialmente para ser o guia de Alexandre, porque já haviam disputado a meia maratona de Balneário Camburiu, e estavam entrosados.

Em Questão-  Como foi esta nova experiência Alexandre?

Alexandre- O frio intenso dificultou muito, pois a largada da categoria deficiente visual ocorreu às 6hs55min. e ainda estava escuro. No km 19 estávamos em um bom ritmo, mas o Sérgio reclamou de dores nas panturrilhas, pelo frio e pela falta de um devido aquecimento. Daí falei pra ele ver outro atleta pra me guiar, ele disse que iria comigo até o fim. No km 24 Sérgio não aguentou.

Em Questão- E daí, como fez para seguir e chegar até o final da prova?

Alexandre- Daí, então, ele pediu a um outro atleta que passava por nós no momento pra me guiar, o atleta topou de cara, era o tri atleta de Curitiba Rodrigo Quadri. Ele não titubeou em nenhum momento e me conduziu até o fim da prova. Terminei os 42 km em 3hs32min..Me sagrei vice campeão da prova. Não esperava pódio, já tava muito feliz de ter concluído toda a prova correndo. Os outros competidores já haviam disputado outras maratonas, enquanto eu estava apenas estreando.

Em Questão. Isto deve ser um estimulante e recompensa os obstáculos né?

Alexandre- Fiquei muito feliz e realizado, foi uma ótima estréia, eu diria que foi com o pé direito.

 

 

 

Um recorde de conquistas em curto espaço de tempo

 

sabrie

“Meu treinador Eduardo Peres Júnior de Porto Alegre disse que é pra eu focar nas maratonas, já que me saio muito bem em provas longas, é isso que faremos a partir de agora, escolheremos provas boas, treinaremos e vamos a ela”, garante Alexandre Rosa

Em três anos ele disputou cinco meia maratonas, oito provas de pista e 21 corrridas de rua e foi o primeiro atleta deficiente visual a disputar a Travessia Torres Tramandaí, prova que ocorre na areia. “Aqui em Alegrete estou infelizmente sem guias, tenho executado meus treinos geralmente na academia Corpus, com meu amigo ciclista Luciano Brasil, ou ainda, de vez enquando, com minha mulher Rossana Machado, na moto. O que importa pra mim é treinar, seja o jeito que for!”, disse.

Estes treinos não são aleatórios. O pódio tem sido constante para Alexandre porque o treinador Eduardo Peres Júnior envia os treinos, “ e eu executo aqui e envio o relatório de como foi pra ele”, explica. Quais são as dificuldades reais para se “ranquear” como atleta de alta performance no RS, pergunta o EQ: “estou carecendo de mais apoios, patrocínios, a alimentação de um atleta é diferente, rica em proteínas, frutas, cereais, carbo-hidratos, se tiver como, de repente algum mercado aceita por o nome em uma camisa minha e me dá uma ajuda”.

Alexandre está se tornando uma marca positiva de Alegrete. Empresas e empresários que enxergam boa oportunidade em associar seus produtos em quem agrega, tem virtudes incontestáveis e tem espírito vencedor, está caindo de maduro Alexandre Rosa e sua espetacular trajetória de superação e relevância.

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Esportes

Diego Armando Maradona morre aos 60 anos depois de parada cardiorrespiratória

Maior jogador da história da Argentina e lenda do futebol mundial, Diego Armando Maradona morreu nesta quarta-feira (25) aos 60 anos.

O craque argentino sofreu uma parada cardiorrespiratória em sua casa na cidade de Tigre, na região metropolitana de Buenos Aires. Conhecido como “El Pibe de Oro”, o jogador sofreu uma delicada cirurgia no cérebro no começo do mês e recebeu alta oito dias depois, após drenar uma pequena hemorragia cerebral.

O médico Leopoldo Luque afirmou na ocasião que a cirurgia era considerada simples, mas havia preocupação pela condição de saúde do ex-jogador.

Diante de um país de luto, o governo da Argentina declarou luto oficial de três dias após a morte de Maradona. Ele deixa três filhas (Dalma, Gianinna, Jana) e dois filhos (Diego e Diego Fernando).

 

Maradona morre aos 60 anos
 
 
 
 

Maradona morre aos 60 anos

Diego Armando Maradona, ícone do futebol argentino, antes do início da partida entre Argentina e Nigéria na primeira fase da Copa do Mundo de 2018, na Rússia — Foto: Lee Smith/Reuters

Diego Armando Maradona, ícone do futebol argentino, antes do início da partida entre Argentina e Nigéria na primeira fase da Copa do Mundo de 2018, na Rússia — Foto: Lee Smith/Reuters

Campeão mundial na Copa do Mundo de 1986, quando ficou eternizado pelos dois gols que marcou contra a seleção da Inglaterra nas quartas de final, Maradona era reverenciado e tratado como Deus na Argentina.

“Muitas vezes me dizem: ‘Você é Deus’. E eu respondo: ‘Vocês estão equivocados’. Deus é Deus, e eu sou simplesmente um jogador de futebol”, afirmou o craque argentino em 1991.

Seu gol de mão contra a Inglaterra ficou mundialmente conhecido pela “mão de Deus”. O outro tento, em que Maradona driblou metade do time (inclusive o goleiro), foi eleito pela Fifa em 2002 como o mais bonito da história das Copas do Mundo.

O golaço de Maradona contra a Inglaterra em 1986 foi eleito pela Fifa em 2002 como o mais bonito da história das Copas do Mundo — Foto: Reuters

O golaço de Maradona contra a Inglaterra em 1986 foi eleito pela Fifa em 2002 como o mais bonito da história das Copas do Mundo — Foto: Reuters

Gol do século, marcado por Maradona contra a Inglaterra em 1986 — Foto: Reprodução

Maradona salta para dar um soco na bola e marcar um dos dois gols sobre a Inglaterra nas quartas de final da Copa do Mundo do México, em 1986. O gol ilegal foi validado pelo juiz e ficou conhecido por 'A mão de Deus' — Foto: El Grafico via AP/Arquivo

Maradona salta para dar um soco na bola e marcar um dos dois gols sobre a Inglaterra nas quartas de final da Copa do Mundo do México, em 1986. O gol ilegal foi validado pelo juiz e ficou conhecido por ‘A mão de Deus’ — Foto: El Grafico via AP/Arquivo

Maradona também jogou as Copas de 19821990 1994. Em 1990, ele e Caniggia fizeram a jogada que eliminou a seleção brasileira nas oitavas de final. Em 1994, foi pego no exame de antidoping e cortado da seleção argentina.

 

Problemas de saúde e com as drogas

 

Foto de 19 de fevereiro de 2006 mostra Maradona fumando um charuto antes de uma partida de futebol na Bombonera, o estádio do Boca Juniors — Foto: Marcos Brindicci/Reuters/Arquivo

Foto de 19 de fevereiro de 2006 mostra Maradona fumando um charuto antes de uma partida de futebol na Bombonera, o estádio do Boca Juniors — Foto: Marcos Brindicci/Reuters/Arquivo

Maradona conviveu durante toda a sua vida com o vício das drogas, que lhe rendeu duas suspensões quando era jogador.

“Eu era, sou e serei um viciado em drogas”, afirmou Maradona em 1996 em entrevista à revista “Gente”. Em 2004, afirmou à rede de televisão argentina “Canal 9”: “Estou perdendo por nocaute”.

Em 2000, o argentino sofreu um ataque cardíaco devido a uma overdose em um resort uruguaio de Punta del Este e passou por um longo tratamento.

Pesando 100 quilos, Maradona teve outra crise cardíaca e respiratória em 2004, em Buenos Aires, que o deixou à beira da morte.

Recuperado, fez uma cirurgia bariátrica, perdeu 50 quilos e um ano depois retornou como um apresentador de televisão de sucesso.

Em 2007, os excessos no consumo de álcool o levaram a uma nova hospitalização, agora por hepatite. Foi internado em um hospital psiquiátrico. Saiu novamente.

Diego Maradona em foto de março deste ano — Foto: Natacha Pisarenko/AP

Diego Maradona em foto de março deste ano — Foto: Natacha Pisarenko/AP

 

Um dos maiores da história

Diego Armando Maradona nasceu em 30 de outubro de 1960 em Lanús, na província de Buenos Aires. “El Pibe” cresceu em Villa Fiorito, um bairro muito pobre da periferia da capital argentina.

Ele logo foi para o Barcelona, onde atuou entre 1982 e 1984, na transferência mais cara do futebol até então: US$ 8 milhões (US$ 21,5 milhões em valores corrigidos pela inflação).

De lá foi para o Napoli, na Itália, ganhou uma Copa da Uefa, dois Campeonatos Italianos, uma Copa e uma Supercopa da Itália entre 1984 e 1991 e virou ídolo.

Em 17 de março de 1991, seu vício em cocaína custou-lhe a primeira suspensão, de 15 meses. Voltou aos gramados pelo Sevilha, da Espanha, onde jogou entre 1992 e 1993, e retornou à Argentina para uma breve passagem pelo Newell’s Old Boys em 1993.

Depois da Copa do Mundo de 1994 e da sua segunda suspensão, vestiu mais uma vez a camisa do Boca, onde deixou os gramados em 25 de outubro de 1997, cinco dias antes de seu 37º aniversário.

Em uma despedida memorável em 2001, no estádio La Bombonera lotado, Maradona falou sobre seus vícios: “Errei e paguei, mas o que fiz em campo não se apagou”.

Um dos maiores jogadores da história do futebol mundial, ao lado de Pelé, o craque argentino disputou 676 jogos e marcou 345 gols em 21 anos de carreira na seleção argentina e em clubes.

Maradona também seguiu a carreira como técnico — atualmente, era técnico do Gimnasia y Esgrima La Plata, um clube argentino da cidade vizinha a Buenos Aires.

Ele treinou também Mandiyú (1994), Racing (1995), Al Wasl (2011-2012), Al Fujairah (2017-2018) e Los Dorados de Sinaloa (2018), além da seleção argentina na Copa do Mundo de 2010.

Relembre momentos marcantes de Maradona, que morreu aos 60 anos
 
 
 
 

Relembre momentos marcantes de Maradona, que morreu aos 60 anos

Pelé e Maradona recebem troféus no Oscar dos Esportes em Milão, na Itália, em março de 1987 — Foto: AP/Arquivo

Pelé e Maradona recebem troféus no Oscar dos Esportes em Milão, na Itália, em março de 1987 — Foto: AP/Arquivo

 Maradona ao lado da sua companheira, Rocio Oliva, durante jogo da Copa Davis  — Foto: Darko Bandic/AP

Maradona ao lado da sua companheira, Rocio Oliva, durante jogo da Copa Davis — Foto: Darko Bandic/AP

Diego Maradona comemora após marcar seu gol da vitória contra a Inglaterra na semifinal da Copa do Mundo no México, em 22 de junho de 1986 — Foto: Ted Blackbrow/Pool/Reuters/Arquivo

Diego Maradona comemora após marcar seu gol da vitória contra a Inglaterra na semifinal da Copa do Mundo no México, em 22 de junho de 1986 — Foto: Ted Blackbrow/Pool/Reuters/Arquivo

Fonte: Reprodução texto e imagens  g1,globo,com/esportes

Continue lendo

Esportes

Saiu o adversário nas semifinais do terceiro torneio do Palmeiras categoria principal

No domingo no farroupilha em um bom jogo jogaram river plate x Vera Cruz. Vitória do River  por 1 a 0 .

No próximo domingo dia 18, as semifinais serão
14:15.  River Plate x atlético  *
16:15  Cruzeiro x sindicato  *

*Não quer dizer que são nessa sequência

 

Durante a semana São os jogos nos horários corretos

Imagens: direção do river/direção do vera cruz 

 

 

Continue lendo

Esportes

A bola volta a rolar nos campos de futebol de Alegrete

Em Reunião Realizada Hoje Pela Manhã na Prefeitura Municipal de Alegrete ficou Definido Que o Retorno do Futebol de Campo na Cidade sera Apartir da Segunda feira 21 de Setembro com Todos os Protocolos de Segurança sendo Realizados no Estádio Municipal Farroupilha sem a Presença de Torcida .
Participaram da Reunião Prefeito Marcio Amaral , Presidente da LAF Ramud Maruf, Diretor de Esportes Emerson Coelho e o Advogado Sivens Carvalho .

Continue lendo

Ler edição online

Facebook

Previsão do tempo

 

 

Popular