Mulher denuncia. “Minha família está jurada de morte”

Vizinha incomodativa alega ser doente e que ninguém pode fazer nada contra ela. Neste compasso ela agride, ameaça e jura de morte uma família inteira

Dona Letícia da Silva, 34 anos, mora no bairro Airton Senna, tem duas filhas menores e um gurizinho de dois anos e está com medo de ser morta e ver seus filhos assassinados. Ela entrou ontem em contato com o EQ, para pedir socorro, porque são inúmeras as ocorrências que ela já registrou, acionando a Brigada Militar, ou indo direto na DPPA, e apesar de requerer mais de uma vez Medidas Protetivas, acha que vive os piores momentos de sua vida.
Não é para menos. Ela tem uma vizinha como setorista de ameaças, ataques e pressão diária. Tudo começou no final do ano, quando as filhas da vítima, brincavam com o filho desta referida vizinha e por lá tiveram um desentendimento.

Desde então dona Letícia tem a casa apedrejada quase diariamente, além de ver a outra mulher, armada com adaga prometendo pelas ruas do bairro, e, principalmente, em frente à sua casa, fazer ameaças de entrar e matar degolado todos os membros da família. Várias vezes a BM foi ao local e tenta acalmar a titular das ameaças.
Letícia já teve que fugir e pedir socorro numa igreja do bairro. Segunda-feira, teve uma audiência na Promotoria para tratar do assunto e quando chegou em casa as crianças estavam apavoradas, porque a agressora foi lá armada, dizendo que invadiria a casa para matá-los.

“Ela diz que vamos chorar lágrimas de sangue. Ela se droga, consome bebidas alcóolicas e vem para frente da minha casa. Me enche a osso, faz ameaças, já me bateu e eu não sei mais a quem recorrer”, desabafou a jovem mãe.
Neste meio tempo a tal vizinha teria sido portadora de denúncia de que o marido da vítima, teria abusado da filha pré adolescente. Houve um movimento rápido entre Conselho Tutelar e Justiça e o homem foi afastado de casa. “Minha filha nega. Pra piorar agora a mulher está mais agressiva. Pra ir comprar qualquer coisa no armazém só escondida dela. Meus filhos correm risco de vida com a volta das aulas, e nem o pequeno poderei levar nan créche. Ela grita que vai matar toda minha família”, dispara.

Vendo um tipo de agilidade para um fato e letargia para outro, Letícia, quer trocar de bairro. “Quem quiser trocar comigo, estou topando qualquer negócio com a casa”, disse. Segundo a vítima, a tal vizinha, diz que ninguém poderá fazer nada contra ela, “porque sou doente mental. Já tive até internada. Sou doente, posso ir aí e te pegar que não dá nada”.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *