O Belo Exulta. O Fel Azeda

Oscar Wilde escreveu no prefácio de seu único livro O Retrato de Dorian Gray que “toda a arte é verdadeiramente inútil”. Não quis dizer, contudo, em seu “inútil” que era imprestável, ao contrário, sugeria que o valor específico da arte está além de sua utilidade prática. Mas se pode contrapor isso e pensar que infinitas obras – de qualquer natureza – foram concebidas com alguma utilidade em mente. Lembro isso em razão da celeuma sobre a exposição do Santander Cultural na capital e que causou manifestações pró e contra, infelizmente todas rançosas como se cada uma das partes tivesse o condão da verdade suprema. Atualmente galerias e museus abrem exposições diversas, muitas de pouca arte, infelizmente. Cenas bizarras e grotescas na concepção dos autores é arte real, mas a sociedade entende arte como algo de beleza inigualável. Rabiscos e esguichos de tinta não representam – para a maioria – algo que transcenda os séculos causando uma sensação agradável para a alma dos viventes. Tudo muito subjetivo, exceto quando a expressão artística declara cabalmente a delinqüência, os vícios ignóbeis, a luxúria e a violência moral e física. A vida já é um amontoado de idiotices, por isso a arte verdadeira tem de modelar-se pelo belo que exulte e não pelo fel que azeda e mofa.

˜  ˜  ˜

  • ˜Se alguém ainda acredita que nas relações políticas o almoço é grátis, trate de sentar e ver que não é bem assim. Prova maior disso é o que se assiste desde o início do processo que recebeu a alcunha de mensalão. Mais de década já se passou e ao invés dos dirigentes do país apresentarem comportamento probo e realmente administrarem a nação para o povo, o que nos foi legado? Corrupção, furto incalculável, mentiras, acusações de ambos os lados, dinheiros encontrados em malas, sacolas, caixas, bolsos e bolsas, cuecas, meias e sapatos, em uma verdadeira orgia digna de concorrer com os bacanais mais intensos ocorridos na Roma ao tempo de seus prazeres mais abomináveis. E quem colocou essa gente para conduzir a carruagem, senão cada brasileiro apto ao voto? Portanto, é tempo de mea culpa.
  • ˜ É preciso, pois, manter um alerta intenso até a próxima eleição, despertando sentimentos e princípios que podem estar meio adormecidos no seio da sociedade brasileira para que não caia em logros e contos e cantos de sereias que sempre ficam à espreita quando se apresentam oportunidades de poder.
  • ˜ O que se tem dito e ouvido é que os políticos são perigosos, e o povo tão bom que os escolhe em boa fé. Será? O próprio ex-presidente Luis Ignácio afirmou na década de 90 que havia uma maioria de 300 picaretas no Congresso. Infelizmente acabou junto dessa escumalha ao invés de ter aberto um caminho para desinfetar todos os níveis do poder. Se o povo não aprender a votar com um mínimo de bom senso, o assalto ao tesouro do país irá continuar e o povo a mendigar. Portanto, já é tempo de análises, sem emoções, paixões ou fé cega, porque voto calçado nessas sensações trará vendaval ruim para todos nós.
  • ˜ Como já comentei em coluna anterior, o Rio Grande é uma grande festa até a próxima quarta-feira. Nenhuma unidade da Federação comemora uma façanha com a força que os gaúchos fazem. Nada abala a gente rio-grandense – que não deixa de ser uma gente farroupilha –  apesar de permanecer extorquida pela União tal qual nos idos de mil oitocentos e pouco. Tudo que aqui se paga em impostos vai para o poder central, aos moldes do longínquo século 19. Se o Brasil fosse realmente uma República Federativa governada por homens ou mulheres responsáveis não passaríamos as penúrias imputadas. Aliás, nenhum Estado Federativo andaria trôpego. Infelizmente continuamos como dantes na terra de Abrantes.
  • ˜ Ideologia de gênero. Cuidado. Melhor inteirar-se com certa profundidade sobre um assunto polêmico como esse e que a ciência define com clareza e fundamentação fruto de pesquisas intensas. Hormônios são substâncias perigosas se aplicadas indevidamente; apresentar certas ideologias para crianças e jovens também pode causar danos irreversíveis e até suicídios. Os bebês nascem machos ou fêmeas. Isso é definido pela própria biologia. O resto é conversa fiada… e perigosa.
  • ˜ A semana termina com muitas perdas. Registro, em especial, a da professora Elaine Fogliatto dos Santos, de forma súbita e precoce. Uma dama em todo o sentido da palavra, mestra de escol, atenta aos fatos e desmandos do país, sempre alerta para avisar aos desavisados e justa em suas argumentações. Deixa um espaço vazio de saudade roendo nosso dia a dia.
  • ˜ O seriado Brasil Corrupto está na 17ª temporada. Os personagens são os mesmos acrescidos de alguns novos figurantes. Ainda não há inseticida que elimine a praga.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *