Janot no meio do furacão da República de Joesley

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fez um pronunciamento na tarde desta segunda-feira em que revelou que os executivos da JBS omitiram informações na delação premiada. A declaração ocorre após a Procuradoria Geral da República ter tido acesso a gravações de diálogos de dois colaboradores na última semana.

As conversas, de acordo com Janot, têm ligação com Marcelo Miller, ex-procurador, que participava do grupo de trabalho da Lava Jato até março deste ano e passou a trabalhar no escritório de advocacia que registrou os termos de leniência do grupo JBS com a PGR.

Janot esclareceu que caso sejam comprovadas irregularidades no acordo os irmãos Joesley e Wesley Batista podem perder os benefícios da delação. O procurador sustentou, porém, as provas apresentadas seguem valendo. “Conforme a lei, se a culpa for do interlocutor gerar a rescisão do acordo, ele perde todos ou alguns dos benefícios e o Estado aproveita todas as provas apresentadas”, sustentou.

Suspeito “com foro” do STF

Janot explicou que um áudio entregue pelos advogados da JBS narra supostos crimes que teriam sido cometidos por pessoas ligadas à PGR e ao Supremo. A gravação foi entregue, por descuido dos advogados, como uma nova etapa do acordo.

Segundo Janot, um dos suspeitos é o ex-procurador Marcelo Miller, que foi preso na investigação envolvendo a JBS, e uma outro suspeito com “foro privilegiado” no Supremo Tribunal Federal (STF). Os fatos teriam sido omitidos na delação.

Rodrigo Janot também informou que vai pedir ao ministro do Supremo Edson Fachin, responsável pelas investigações da Lava Jato no STF, medidas para avançar na apuração do descumprimento do acordo. Fachin poderá decidir sobre a derrubada do sigilo das gravações.

Com informações da Agência Brasil

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *