Alexandre Rosa. Um alegretense que é exemplo de superação

untitled

13428434_993886780707596_8527766084198560498_n

Atletas tem o gosto pelo desafio. Superação é o motor que move estes humanos, que trazem a aventura no sangue e vão criando na musculatura este acervo de adrenalina, de obstáculos superados e motivação.

Agora ponha tudo isto, num peito cheio de harmonia e musicalidade. Preencha este ser humano de mais dificuldades  e estará diante de Alexandre Rosa, reconhecido como um dos melhores tanto como fundista e/ou cavaquinista. Alexandre é deficiente visual.

Quem vê e ouve o cavaquinho luxuoso do Alexandre conduzindo puxadores consagrados ou cantores renomados, talvez, não imagine o seu potencial como corredor de rua. Mas, quem o assiste correndo com desenvoltura não sabe que ele tira de ouvido os sambas mais classudos e melodiosos do país.

Há três anos ele iniciou sua trajetória como atleta. Sua esposa Rosane Machado sempre esteve lhe ajudando, porém Alexandre contou com o apoio e ajuda de outros corredores mais experimentados de Alegrete. Assim, passou a frequentar com certa frequência os pódios em disputas com atletas especiais. Neste meteórico palco de corredores, Alexandre foi despertado para as provas de longo percurso e agora praticamente está focado neste tipo de modalidade.

Deu um show de superação, improviso, sorte e arrancou aplausos do seu próprio coração, quando chegou em segundo lugar na Maratona Internacional de Porto Alegre, realizada dia 12, numa prova de 42 quilômetros.

Não foi nada fácil. O guia dele, foi Sérgio Luís Dias, que veio de Florianópolis até Porto Alegre, especialmente para ser o guia de Alexandre, porque já haviam disputado a meia maratona de Balneário Camburiu, e estavam entrosados.

Em Questão-  Como foi esta nova experiência Alexandre?

Alexandre- O frio intenso dificultou muito, pois a largada da categoria deficiente visual ocorreu às 6hs55min. e ainda estava escuro. No km 19 estávamos em um bom ritmo, mas o Sérgio reclamou de dores nas panturrilhas, pelo frio e pela falta de um devido aquecimento. Daí falei pra ele ver outro atleta pra me guiar, ele disse que iria comigo até o fim. No km 24 Sérgio não aguentou.

Em Questão- E daí, como fez para seguir e chegar até o final da prova?

Alexandre- Daí, então, ele pediu a um outro atleta que passava por nós no momento pra me guiar, o atleta topou de cara, era o tri atleta de Curitiba Rodrigo Quadri. Ele não titubeou em nenhum momento e me conduziu até o fim da prova. Terminei os 42 km em 3hs32min..Me sagrei vice campeão da prova. Não esperava pódio, já tava muito feliz de ter concluído toda a prova correndo. Os outros competidores já haviam disputado outras maratonas, enquanto eu estava apenas estreando.

Em Questão. Isto deve ser um estimulante e recompensa os obstáculos né?

Alexandre- Fiquei muito feliz e realizado, foi uma ótima estréia, eu diria que foi com o pé direito.

 

 

 

Um recorde de conquistas em curto espaço de tempo

 

sabrie

“Meu treinador Eduardo Peres Júnior de Porto Alegre disse que é pra eu focar nas maratonas, já que me saio muito bem em provas longas, é isso que faremos a partir de agora, escolheremos provas boas, treinaremos e vamos a ela”, garante Alexandre Rosa

Em três anos ele disputou cinco meia maratonas, oito provas de pista e 21 corrridas de rua e foi o primeiro atleta deficiente visual a disputar a Travessia Torres Tramandaí, prova que ocorre na areia. “Aqui em Alegrete estou infelizmente sem guias, tenho executado meus treinos geralmente na academia Corpus, com meu amigo ciclista Luciano Brasil, ou ainda, de vez enquando, com minha mulher Rossana Machado, na moto. O que importa pra mim é treinar, seja o jeito que for!”, disse.

Estes treinos não são aleatórios. O pódio tem sido constante para Alexandre porque o treinador Eduardo Peres Júnior envia os treinos, “ e eu executo aqui e envio o relatório de como foi pra ele”, explica. Quais são as dificuldades reais para se “ranquear” como atleta de alta performance no RS, pergunta o EQ: “estou carecendo de mais apoios, patrocínios, a alimentação de um atleta é diferente, rica em proteínas, frutas, cereais, carbo-hidratos, se tiver como, de repente algum mercado aceita por o nome em uma camisa minha e me dá uma ajuda”.

Alexandre está se tornando uma marca positiva de Alegrete. Empresas e empresários que enxergam boa oportunidade em associar seus produtos em quem agrega, tem virtudes incontestáveis e tem espírito vencedor, está caindo de maduro Alexandre Rosa e sua espetacular trajetória de superação e relevância.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *